17:05 20 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    WhatsApp

    Plataforma ‘Proteste’ quer reverter na Justiça bloqueio do WhatsApp

    Flickr/Microsiervos Geek Crew
    Brasil
    URL curta
    127210

    A Justiça exigiu o bloqueio, pela terceira vez, do serviço de mensagens instantâneas WhatsApp em todo o país e a Associação de Consumidores ‘Proteste’ fez uma petição para evitar o bloqueio do aplicativo.

    Com 141 mil adesões até o momento, a associação mantêm a campanha ‘Não Calem o WatsApp’, que busca reverter essa decisão na Justiça porque entende que “não é admissível que, sistematicamente, milhões de brasileiros sejam prejudicados com o bloqueio do aplicativo”.

    A decisão do bloqueio foi tomada pela juíza Daniela Barbosa Assunção, que determinou uma multa de RS$50 mil por dia para as empresas que não cumprirem a ordem.

    Segundo relatos da Globo News, a juíza alegou que o Facebook, empresa proprietária do WhatsApp, teria sido notificado por três vezes, mas se recusou a quebrar o sigilo de conversa de pessoas investigadas em um caso que corre em segredo em Caxias, na Baixada Fluminense.

    “A suspensão do WhatsApp fere duas garantias que são pilares do Marco Civil da Internet: a neutralidade da rede e a inimputabilidade; ou seja, o fato de que os provedores de conexão não respondem pelos ilícitos praticados por terceiros, estabelecidos pelo Marco Civil”, afirma a ‘Proteste’. 

    Segundo a Associação de Consumidores, “os efeitos da medida trazem prejuízos inestimáveis ao impedir milhões de brasileiros de trocar mensagens instantâneas, que hoje desempenham um papel fundamental na comunicação da sociedade”.


    Mais:

    Justiça do Rio manda bloquear WhatsApp em todo o Brasil
    Políticos e autoridades da área discutem bloqueio do WhatsApp e de outros aplicativos
    Rússia tem ‘WhatsApp’ para 500 milhões de budistas
    Usuários do WhatsApp em vários países afirmam que serviço saiu do ar
    Usuários brasileiros reagem com memes ao bloqueio e ao desbloqueio do WhatsApp
    Tags:
    bloqueio, consumidores, justiça, Facebook, WhatsApp, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik