17:43 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) revistam moradores do complexo de favelas do Alemão no Rio de Janeiro

    ONG: Polícia do RJ matou 645 pessoas em 2015

    © AP Photo/ Leo Correa
    Brasil
    URL curta
    0 9921

    Um relatório divulgado nesta quinta-feira (7) pela ONG Human Rights Watch (HRW) mostrou que a Polícia no Rio de Janeiro matou mais de 8 mil pessoas na última década, sendo que foram 645 vítimas somente em 2015.

    Segundo o documento, intitulado “O bom policial tem medo: os custos da violência policial no Rio de Janeiro.”, o número de mortes causados pelos agentes da segurança no RJ teve uma diminuição em 2013, quando caiu para 400 pessoas, mas cresceu significativamente desde então, com 645 mortes no ano pasado e até maio de 2016 o número já chega a 322 mortos.   

    A HRW mostra também que a causa dos incidentes não pode ser qualificada como decorrente de ‘confrontos’, visto que, apesar de alto, o número de policiais mortos é significativamente menor do que das vítimas da polícia. De acordo com a ONG, para cada policial morto em serviço em 2015, a polícia matou 24,8 pessoas.

    “A polícia atira em pessoas desarmadas, atira pelas costas em fugitivos e executa indivíduos que já estão imobilizados com tiros na cabeça”, indica o relatório.

    O relatório também fez duras críticas às investigações da Polícia Civil e do Ministério Público sobre omissões de execuções, classificando-as como “lamentavelmente inadequadas”. 

    "Policiais responsáveis por execuções e acobertamentos raramente são levados à justiça. A polícia civil tem conduzido investigações lamentavelmente inadequadas. Entretanto, a responsabilidade de acabar com a impunidade nesses casos é, em última instância, do Ministério Público do estado do Rio de Janeiro, que tem competência constitucional para realizar o controle externo da atividade policial, fiscalizando o trabalho da polícia civil, bem como conduzindo suas próprias investigações", afirma a ONG.

    Em 64 casos analisados, a ONG encontrou provas de tentativas de acobertamento das execuções.

    A Human Rights Watch aponta que a polícia do Rio, de fato, enfrenta ameaças reais por parte de gangues de criminosos fortemente armados e, por isso, muitas das mortes são resultado do uso legítimo da força letal, o que leva a instituição a reportar praticamente todos os casos como atos de autodefesa legítima a maioria  No entanto, o relatório afirma que em muitas ocasiões trata-se de assassinatos extrajudiciais.

    Mais:

    Violência policial durante protesto contra governo de Temer no Brasil
    Anistia denuncia aumento da violência policial no Rio
    Um ano depois, a violência policial continua nos EUA
    Armênia abre investigação sobre possível violência policial contra manifestantes
    Tags:
    ONG, relatório, mortes, Human Rights Watch, Polícia Militar, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik