14:36 19 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Dilma Rousseff

    Dilma denuncia complô para barrar a Lava-Jato e faz apelo aos senadores

    Roberto Stuckert Filho/PR
    Brasil
    URL curta
    Impeachment no Senado (104)
    2102
    Nos siga no

    Em seu depoimento por escrito lido hoje (6) pelo advogado-geral da União José Eduardo Cardozo na Comissão do Impeachment do Senado, a presidenta afastada Dilma Rousseff disse ser vítima de um complô de “várias forças políticas” que tentam barrar as investigações da Lava-Jato.

    Segundo Dilma, a abertura do processo de impeachment pelo presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), deixou claro que “várias forças políticas viam e continuam a ver a [sua] postura de não intervir ou de não obstar as investigações realizadas pela operação Lava Jato como algo que colocava em risco setores da classe política brasileira”.

    Lembrando a conversa vazada entre o senador Romero Jucá (PMDB) e o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, que resultou na saída de Jucá do Ministério do Planejamento, a presidenta afastada fez a seguinte declaração:

    “Como disse um dos líderes mais importantes do governo interino, o senador Romero Jucá, era preciso me destituir da Presidência da República para que, enfim, fosse possível um acordo que esvaziasse as operações policiais contra a corrupção e fosse estancada a 'sangria' resultante dessas investigações. Várias outras declarações de integrantes do grupo que apoia ou está hoje no governo confirmaram esta revelação: era preciso me derrubar para ter uma chance de escapar da ação da Justiça”, citou.

    Dilma ressaltou ainda que não cometeu nenhum crime de responsabilidade e fez um apelo à consciência histórica dos senadores para que o Brasil não tenha que passar por mais uma ruptura democrática.

    “Peço que reflitam, com absoluta isenção, sobre a história do nosso país e sobre o que representará para a nossa jovem democracia a cassação de um mandato presidencial realizada nestas circunstâncias e por estes motivos. Manifesto minha sincera confiança na compreensão das senadoras e dos senadores que, mesmo sendo de oposição ao meu governo, estejam abertos a considerar meus argumentos. Espero que muitos estejam dispostos a agir com isenção. Basta que se analise este processo para que se saiba que não cometi as irregularidades que são atribuídas a mim. As provas são evidentes e demonstram cabalmente que agi de boa-fé, pelo bem do país e do nosso povo – e sempre dentro da lei.”

    Tema:
    Impeachment no Senado (104)

    Mais:

    Dilma não participará de sua defesa diante da Comissão do Impeachment
    Comissão do Senado ouve peritos no processo de impeachment de Dilma
    Campanha de financiamento coletivo para viagens de Dilma estreia com meta de R$500 mil
    Tags:
    depoimento, governo interino, ruptura democrática, golpe, impeachment, complô, Operação Lava Jato, Senado, Comissão do impeachment, Eduardo Cunha, Romero Jucá, José Eduardo Cardozo, Dilma Rousseff
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar