22:35 11 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    505
    Nos siga no

    O governador em exercício do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles, anunciou neste sábado que usará a verba de R$ 2,9 bilhões, liberada pelo governo federal para cobrir gastos com segurança durante a Olimpíada, para pagar a segunda parcela dos salários de maio dos servidores ativos, inativos e pensionistas, segundo informou a Agência Brasil.

    Dornelles participou de uma reunião na parte da manhã com os secretários de Fazenda, Julio Bueno; de Planejamento e Gestão, Francisco Antônio Caldas; da Segurança, José Mariano Beltrame; com o comandante da PM, coronel Edison Duarte dos Santos, e o chefe da Polícia Civil, Fernando Veloso.

    Os pagamentos serão feitos nesta segunda-feira. Também serão pagos os salários atrasados de junho, o Regime Adicional de Serviço (RAS) ainda pendentes, e o primeiro semestre de 2015 do Sistema Integrado de Metas (SIM). 

    “Nosso compromisso prioritário é com os servidores. Por isso, vamos começar a utilizar os recursos com eles. Aproveito, mais uma vez, para agradecer o presidente Temer e sua equipe, pelo apoio para que possamos‎ realizar uma grande olimpíada e com segurança para todos”, afirmou Dornelles.

    O Rio de Janeiro enfrenta uma de suas piores crises financeiras. Há meses, o estado atrasa salários de servidores, serviços da saúde, educação e segurança, que corre risco de ser interrompida. O governo fluminense também tem deixado de honrar contratos com prestadores. Recentemente, Dornelles decretou estado de calamidade pública, por causa do déficit orçamentário de R$ 20 bilhões. O repasse do governo federal veio logo após a publicação do decreto.

    Mais:

    Paratletas de ouro se preparam para brilhar no Rio de Janeiro
    Freixo lidera pesquisa de intenções de voto para a Prefeitura do Rio de Janeiro
    Segurança de prefeito do Rio de Janeiro é morto a tiros
    Tags:
    atrasos, salário, pagamento, Francisco Dornelles, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar