05:30 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Beto Mansur, fala sobre possibilidade de Eduardo Cunha renunciar a presidência da casa
    Antonio Cruz/Agência Brasil

    Beto Mansur quer renúncia de Eduardo Cunha, para retomar ordem na Câmara dos Deputados

    Brasil
    URL curta
    511
    Nos siga no

    O 1º Secretário da Câmara dos Deputados, Beto Mansur (PRB-SP) está defendendo a renúncia do presidente afastado da Casa, Eduardo Crunha (PMDB-RJ) para que possa ser realizada uma nova eleição e escolher um novo presidente, e assim retomar a ordem na Câmara.

    Ao conversar com a imprensa, Beto Mansur disse que apesar do bom trabalho realizado por Cunha no cargo, o andamento da Casa e as votações na Câmara não podem mais continuar paradas até que se conclua o processo no Conselho de Ética que pede a cassação do deputado afastado por quebra de decoro parlamentar, sob acusação de ter mentido sobre a existência de contas no exterior, na CPI da Petrobras.

    "O que eu estou defendendo é que na próxima terça-feira (5) vai fazer 60 dias que o presidente Eduardo cunha foi afastado da direção da Câmara dos Deputados. Eu acho que chegou a hora para que ele reflita nesse fim-de-semana e renuncie. Ele deve se defender, ele tem todo o direito de se defender na CCJ, no Conselho de ética, se defender no Plenário. Isso ai é uma questão que é dele, ele que tem de se defender. Agora, nós precisamos iniciar esse processo eleitoral, e de que maneira se inicia? Com a renúncia do presidente Eduardo Cunha da função."

    Michel Temer e Eduardo Cunha, na Câmara dos Deputados, em Novembro de 2015.
    Antonio Cruz/ Agência Brasil

    Atualmente, o presidente em exercício da Câmara é o 1º vice-presidente, deputado Waldir Maranhão (PP-MA), mas as sessões em Plenário estão sendo conduzidas pelo 2º vice-presidente, deputado Giacobo (PR-PR). De acordo com o deputado Mansur, que tem sido responsável pelos serviços administrativos, a condução da Câmara está dividida, o que para o parlamentar não é positivo. Mansur defende que é preciso um presidente eleito por todos.

    "Nós estamos com uma administração tripartite, vamos dizer assim, eu o Maranhão e o Giacobo. Não dá certo isso, porque você precisa ter na casa um presidente que seja efetivo, eleito pelo plenário da casa, e que possa governar a casa até esse período que se encerra dia 31 de janeiro."

    Para Beto Mansur, a Câmara não pode contar se haverá a cassação de Cunha, o que seria mais imediato do que pedir sua renúncia, pois o processo ainda pode passar por novos adiamentos e novos prazos, como aconteceu no Conselho de Ética.

    "Tem muita coisa pra gente votar, que nós não podemos ficar dependendo do calendário do deputado Eduardo Cunha. É isso que eu estou defendendo. É uma questão, ele se defender, aonde for, é um direito que ele tem. Agora, eu não quero ficar discutindo esse calendário, eu quero ter uma eleição para presidente o mais rápido possível, é isso que eu defendo."

    Através de suas redes sociais, o deputado afastado Eduardo Cunha, disse não ter porta-voz e reafirmou que não vai renunciar.

    Tags:
    presidência, eleição, CPI da Petrobras, cassação, Câmara dos Deputados, Conselho de Ética, Beto Mansur, Eduardo Cunha, Brasil, Brasília
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar