19:24 25 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    estatuetas do Oscar

    Diretora brasileira vai participar da escolha do Oscar

    © REUTERS/ Mario Anzuoni
    Brasil
    URL curta
    0 9611

    A lista dos convidados a participar na Academia do Oscar inclui este ano um grande número de mulheres e negros. Anna Muyalert, a primeira cineasta do Brasil que recebeu um Oscar, também foi convidada.

    Em 2016, um total de 683 pessoas se tornaram membros da Academia de Artes Cinematográficas.

    A cinematografia é o domínio do liberalismo. Assim, entre os novos membros que obtiveram protagonismo na Academia neste ano 46% são mulheres e 41% são não brancos.

    Até recentemente, entre os  que votavam no prêmio 76% eram homens e 93% eram brancos, tendo a Academia se tornado alvo de críticas por falta de diversidade.

    Estátua de Oscar, 87 Academy Awards, Beverly Hills, California, 15 de janeiro de 2015
    © REUTERS/ Phil McCarten
    Entre os novos membros estão também brasileiros como o animador Alê Abreu, conhecido pelos filmes "Garoto Cósmico" e "O Menino e o Mundo", o diretor de fotografia Lula Carvalho, da "Tropa de Elite", os compositores Antônio Pinto, de "Amy" e Marcelo Zarvos, de "Rock em Cabul".

    Mas o momento mais importante é que entre os novos membros que aderiram à associação está Anna Muyalert, a primeira diretora e cineasta em 30 anos a representar o Brasil na Academia. Ela recebeu o convite pelos seus filmes "Que Horas Ela Volta?" e "Mãe Só Há Uma".

    O número de convidados tem tendência a crescer para evitar uma nova onda da críticas mas este ano isso foi especialmente visível. Tradicionalmente, o número dos convidados não supera as 200 pessoas.

    Mais:

    DiCaprio agradece aos habitantes da Sibéria pelo Oscar
    Como Chris Rock, anfitrião do Oscar 2016, expôs o racismo de Hollywood na cara dos EUA
    Tags:
    filme, associação, membros, convite, indústria de cinema, Oscar, Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik