15:36 25 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Michel Temer, Renan Calheiros e Aécio Neves
    Antonio Cruz/Agência Brasil

    Cientista político comenta inclusão de Temer e Aécio na delação de Sérgio Machado

    Brasil
    URL curta
    590

    Lista com nomes de graduados políticos de 25 partidos, revelada pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, abala ainda mais o conturbado cenário nacional. O Professor Antônio Marcelo Jackson fala da inclusão de Michel Temer e de Aécio Neves na relação.

    As revelações do ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, em sua delação premiada continuam provocando intensa repercussão na sociedade e, em especial, no mundo político do país. Até o início desta semana, conheciam-se apenas pequenas partes das revelações de Machado, boa parte delas divulgadas por ele mesmo, a partir das gravações que efetuou com diversos políticos, entre os quais os Senadores José Sarney, Renan Calheiros e Romero Jucá.

    Na quarta-feira, 15, tornaram-se públicas extensas revelações do que Sérgio Machado disse aos investigadores e aos procuradores da Operação Lava Jato. A partir daí, vieram a público as denúncias do ex-senador de que 25 políticos de vários partidos – PT, PSDB, PP, DEM, PCdoB e PMDB – beneficiaram-se de dinheiro de origem ilícita como contribuições para suas campanhas eleitorais.

    Entre os políticos citados por Sérgio Machado estão o presidente interino Michel Temer e o presidente nacional do PSDB, Senador Aécio Neves, concorrente de Dilma Rousseff na campanha presidencial de 2014. Sobre Temer recaíram acusações de que ele teria solicitado contribuições para a campanha de Gabriel Chalita à Prefeitura de São Paulo, na eleição municipal de 2012. Já Aécio Neves foi citado como tendo recorrido àquele expediente quando tentava obter votos entre os parlamentares ao disputar a Presidência da Câmara dos Deputados.

    “Mais do que a delação de Sérgio Machado, o que nos interessa é perceber que os nomes de Michel Temer, de Aécio Neves e de vários outros chamados caciques do PMDB e do próprio PSDB estarem de fato nos locais e nas horas indicadas por Sérgio Machado”, comenta o cientista político Antônio Marcelo Jackson, da Universidade Federal de Ouro Preto. “Ou seja, não se trata, agora, de mais uma delação vazia, mas de algo que é crível, dá para acreditar. É uma coisa bastante grave.”

    O Professor Jackson, para quem a corrupção de políticos no Brasil se tornou endêmica, remontando a muitos anos, desde o início da história do país, pensa ainda que, “quando vem uma denúncia dessas onde se teria o então vice-presidente da República procurando financiar a campanha de um candidato de seu partido na capital do Estado de São Paulo, isso é crível. Isso aí é possível, sim, lamentavelmente, dado que essa relação promíscua da política com empresas e particularmente com empresas públicas se tornou, infelizmente, uma prática comum em nosso país.”

    Em relação ao Senador Aécio Neves, o cientista político Antônio Marcelo Jackson diz que “não é a primeira vez que ele é citado. Não é possível que várias fontes falem o nome de uma mesma pessoa e isso não seja algo grave. Acho que pelo menos vale uma investigação”.

    Mais:

    Temer é apontado em propina na delação premiada
    Sérgio Machado diz ter pago R$ 32 milhões em propinas a Renan Calheiros
    Gravação de Sérgio Machado provoca saída de mais um ministro do governo Temer
    Tags:
    investigação, eleições, políticos corruptos, corrupção, PCdoB, DEM, PMDB, PSDB, PT, Transpetro, Câmara dos Deputados, Dilma Rousseff, Sérgio Machado, Aécio Neves, Michel Temer, Antonio Marcelo Jackson, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar