04:07 20 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Manifestação contra Temer e contra cortes sociais na Secretaria da Presidência da República em São Paulo

    Manifestantes desocupam Secretaria da Presidência após vitória contra cortes em moradia

    Brasil
    URL curta
    Brasil entre Temer e Dilma (110)
    839762

    O Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), que ocupou ontem, com a Frente Povo Sem Medo, a Secretaria da Presidência da República em São Paulo, conseguiu fazer o governo interino de Michel Temer revogar os cortes anunciados no programa Minha Casa, Minha Vida. Os manifestantes comemoraram a noite toda e desocuparam o prédio esta manhã.

    A ocupação havia sido instalada no saguão do edifício na tarde de ontem, em ato contra o governo Temer, cuja legitimidade é negada pelos movimentos sociais.
    No início da manifestação, um homem foi detido, houve confusão e a polícia usou bombas de gás e spray de pimenta contra a multidão.
    Vídeos publicados nas redes sociais denunciaram a violência empregada pela polícia. Em um deles, uma mulher de 29 anos é brutalmente agredida por um policial sem ter cometido qualquer delito.

     
    "Os manifestantes não atenderam às ordens policiais e reagiram. Foram detidas seis pessoas por dano, desacato e periclitação da vida", disse a Secretaria da Segurança Pública (SSP) em nota à imprensa. 

    Tema:
    Brasil entre Temer e Dilma (110)

    Mais:

    Povo Sem Medo ocupa Secretaria da Presidência da República em São Paulo
    Para consultor, autonomia da Polícia Federal será prova de fogo para governo Temer
    Temer anuncia ação conjunta no combate à violência, com foco especial na mulher
    Dilma no Minha Casa, Minha Vida: ‘Impeachment sem crime de responsabilidade é o quê?’
    Tags:
    ForaTemer, moradia, programas sociais, cortes, Minha Casa, Minha Vida, brutalidade, violência, polícia, manifestação, desocupação, ocupação, Secretaria da Presidência, Frente Povo Sem Medo, MTST, Michel Temer, Avenida Paulista, São Paulo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik