14:38 13 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Em redes sociais Dilma fala da entrega de defesa hoje no processo de impeachment no Senado
    Reprodução

    Em redes sociais Dilma fala da entrega de defesa hoje no processo de impeachment no Senado

    Brasil
    URL curta
    Brasil entre Temer e Dilma (110)
    1551

    O ex-advogado Geral da União, José Eduardo Cardozo entrega nesta quarta-feira (1º) a defesa prévia da Presidenta afastada Dilma Rousseff para Comissão Especial do Impeachment, nesta segunda etapa de análise do processo contra ela no Senado.

    Na quinta-feira (2) está prevista uma nova reunião do colegiado para discutir o cronograma de atividades desta etapa, denominada de pronúncia, onde são feitas diligências, coleta de provas favoráveis e contrárias ao impedimento e ouvir testemunhas de defesa e acusação, para depois elaborar relatório sobre a denúncia. 

    Através de um vídeo em suas redes sociais, Dilma Rousseff disse que seu governo vai apresentar na defesa as verdadeiras razões do impeachment, e pede que escutem a fala do ex-Advogado Geral da União, José Eduardo Cardozo, que primeiro explica os dois motivos que iniciaram o impeachment: os seis decretos de suplementação de créditos orçamentários, que segundo ele não são ilegais e as chamadas pedaladas fiscais, questão, que conforme Cardozo sempre aconteceu em governos anteriores e nunca se disse que era ilegal ou contas foram reprovadas por isso.

    Em seguida, José Eduardo Cardozo reafirma no vídeo a questão do impeachment ser um golpe de Estado, e que o processo além de não ter fundamento, é de uma profunda imoralidade democrática.

    "Há um pretexto muito claro para que se possa iniciar um processo de impeachment, que no fundo é um verdadeiro rompimento institucional, é um golpe de estado. São pretextos jurídicos, porque não existem atos ilícitos, não existe má-fé da presidente. Não são atos graves que possam justificar um impeachment nos termos do artigo 85 da Constituição Federal, e ainda o que é mais significativo, nós temos uma situação anterior em que todos faziam isso, e subitamente passou-se a dizer que não mais se podia fazer, ou seja, uma situação inaceitável, que perante o direito não pode jamais ser admitido. Nós Temos que ter clareza que esse processo além de não ter fundamento, é de uma profunda imoralidade democrática. O Brasil não pode aceitar o afastamento de uma Presidenta eleita  por razões desta natureza, com desrespeito àquilo que nós tanto lutamos para ter no Brasil, a democracia.” 

    Conforme o cronograma apresentado na semana passada, o relator da Comissão Especial de Impeachment, senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) propôs que o julgamento final do processo seja realizado entre os dias 1º e 2 de agosto, o que gerou polêmica entre os parlamentares contra e pró Dilma. Os opositores de Dilma querem agilizar o quanto antes a conclusão da segunda fase em julho, mas os senadores que apoiam a presidenta afastada, acham esse prazo de trabalho muito curto, para concluir esta etapa da comissão.

    Tema:
    Brasil entre Temer e Dilma (110)
    Tags:
    comissão especial, impeachment, Senado Federal, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik