00:31 19 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Pedidos da renuncia do ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveira, durante as manifestações em Brasília

    Ministro da Transparência fala de inocência, mas pede demissão

    © AP Photo/ Eraldo Peres
    Brasil
    URL curta
    Brasil entre Temer e Dilma (110)
    760

    O ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveira, pediu a demissão na noite desta segunda (30), informou o jornal Globo. Ele foi o segundo ministro a deixar o cargo após Michel Temer ter formado o novo governo. Seu substituto será Carlos Higino, secretário-executivo do ministério.

    O ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveira
    O ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveira

    Em carta divulgada pelo Fabiano Silveira nesta segunda, o ministro ressalta sua inocência, dizendo que, além de ser "involuntariamente envolvido" no caso, achou melhor deixar o posto.

    “A situação em que me vi involuntariamente envolvido – pois nada sei da vida de Sérgio Machado, nem com ele tenho ou tive qualquer relação – poderia trazer reflexos para o cargo que passei a exercer, de perfil notadamente técnico. Não obstante o fato de que nada atinge a minha conduta, avalio que a melhor decisão é deixar o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle”, escreveu Silveira.

    Silveira afirmou que as gravações que o levaram a pedir demissão mostram "uma simples opinião" e são "comentários genéricos", negando que ele tenha interferido a favor de terceiros acerca das investigações.

    “Foram comentários genéricos e uma simples opinião, decerto amplificados pelo clima de exasperação política que todos testemunhamos. Não sabia da presença de Sérgio Machado. Não fui chamado para uma reunião. O contexto era de informalidade baseado nas declarações de quem se dizia a todo o instante inocente. Reitero que jamais intercedi junto a órgãos públicos em favor de terceiros", disse o ex-ministro.

    Ele também acrescentou que “pela minha trajetória de integridade no serviço público, não imaginava ser alvo de especulações tão insólitas. Não há em minhas palavras nenhuma oposição aos trabalhos do Ministério Público ou do Judiciário, instituições pelas quais tenho grande respeito”.

    Nesta segunda-feira, duas manifestações pediram a saída do ministro. E segundo o Sindicato Nacional dos Analistas e Técnicos de Finanças de Controle da CGU (Unacon), quase a totalidade dos 250 servidores em cargos de chefia do órgão no país deixaram os postos, também em sinal de protesto.

    ​A Transparência Internacional, organização global de combate à corrupção, também pediu a saída do ministro. No texto, a entidade defende que o governo brasileiro deve investigar exaustivamente as alegações contra Silveira.

    O ministro da Transparência aparece na gravação, feita pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado, orientando o presidente do Senado, Renan Calheiros, a não antecipar informações à Procuradoria-Geral da República na Operação Lava-Jato. Antes de se tornar ministro, Silveira também teria procurado o Ministério Público em busca de informações sobre as investigações contra Renan no esquema de corrupção da Petrobras.

    Tema:
    Brasil entre Temer e Dilma (110)

    Mais:

    Deputados portugueses de três partidos acusam golpe no Brasil e criticam Temer
    Gravação de Sérgio Machado provoca saída de mais um ministro do governo Temer
    Em gravação, presidente do Senado defende alteração da lei da delação premiada
    Tags:
    Operação Lava Jato, renúncia, cargo, gravação, demissão, Renan Calheiros, Sérgio Machado, Michel Temer, Fabiano Silveira, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik