17:38 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Delegado titular da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática, Alessandro Thiers

    Advogada de vítima de estupro quer representar contra delegado

    Tomaz Silva/ Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    Estupro coletivo no Rio de Janeiro (15)
    165

    A advogada da adolescente que denunciou ter sofrido um estupro coletivo no Rio de Janeiro pretende procurar a corregedoria da Polícia Civil para questionar a conduta do delegado Alessandro Thiers, titular da Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), segundo informou a Agência Brasil.

    Eloisa Samy afirma que Thiers conduziu o depoimento da vítima de forma a culpá-la pelo ocorrido.

    "Ele perguntou à vitima se ela tinha por hábito participar de sexo em grupo. A uma vítima de estupro", criticou a advogada. "Quero procurar todos os órgãos que possam auxiliar nesse caso. Inclusive a corregedoria de polícia. Quero representar contra o delegado Alessandro Thiers."

    A advogada também se queixou de os responsáveis pela divulgação do vídeo e das fotos da vítima não terem sido presos em flagrante. "O delegado citou o Estatuto da Criança e do Adolescente, que trata da exposição do abuso sexual de menor. Dois dos investigados estavam na delegacia e assumiram que fizeram o compartilhamento do vídeo, e não foram presos em flagrante, não receberam voz de prisão."

    Representante de um dos investigados que prestaram depoimento na última sexta-feira, o advogado Claudio Lúcio da Silva admitiu que seu cliente filmou o vídeo, mas negou que ele tenha participado de estupro. "O meu cliente filmou e assumiu em juízo, mas não foi ele quem divulgou. Ele ficou surpreso pela repercussão do caso".

    A Polícia Civil divulgou uma nota afirmando que a investigação "é conduzida de forma técnica e imparcial" e convidando a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) a designar um representante para acompanhá-la. A nota traz ainda um relato da DRCI sobre o depoimento da adolescente:

    "A DRCI informou que durante a oitiva da vítima ela confirmou que sofreu o estupro e, lhe foi perguntado se tinha conhecimento que havia um outro vídeo sendo divulgado em mídias sociais em que ela apareceria mantendo relações sexuais com homens, conforme relato de uma testemunha. A vítima informou que desconhece o vídeo e que não é verdadeiro", diz uma parte do texto.

    Tema:
    Estupro coletivo no Rio de Janeiro (15)

    Mais:

    #30ContraTodas: Estupro coletivo gera mobilização em massa nas redes sociais
    Polícia identifica quatro suspeitos de participar de estupro coletivo no Rio
    Brasil: Adolescente é vítima de estupro coletivo e autores divulgam vídeo na internet
    Tags:
    delegado, representação, advogada, estupro, Polícia Civil, Alessandro Thiers, Eloisa Samy, Brasil, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik