04:13 23 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Estupro coletivo no Rio de Janeiro (15)
    0 0 0
    Nos siga no

    A Polícia Civil do Rio de Janeiro identificou quatro suspeitos de terem participado do estupro coletivo de uma adolescente de 16 anos ocorrido no último fim de semana no morro São José Operário, em Jacarepaguá. A jovem foi violentada por 33 homens e o vídeo do crime foi postado na internet.

    A vítima havia subido o morro para visitar o namorado em uma casa que era usada por pessoas ligadas ao tráfico de drogas na região, segundo depoimento da adolescente à polícia. O vídeo divulgado no Twitter, mostrando a jovem desacordada, machucada e com os órgãos genitais expostos, foi gravado pelos próprios autores do crime. Um homem admite: “uns 30 caras passaram por ela”.

    Segundo a Agência Brasil, dos quatro suspeitos identificados até o momento, dois teriam sido responsáveis por divulgar as imagens na internet; o terceiro aparece no vídeo ao lado da menina. Seus nomes são Marcelo Miranda da Cruz Correa, de 18 anos, Michel Brazil da Silva, de 20, e Raphael Assis Duarte Belo, de 41. O quarto identificado, Lucas Perdomo Duarte Santos, de 20 anos, seria o namorado da jovem.

    O Ministério Público do Rio (MPRJ), que acompanha o caso, informou que já recebeu mais de 800 denúncias sobre o crime hediondo. O cidadão que tiver qualquer informação que possa contribuir com a investigação – endereços dos suspeitos ou novas provas do fato –, deve entrar em contato com a Polícia Civil através da Central de Atendimento ao Cidadão (CAC) pelos telefones (21) 2334-8823, (21) 2334-8835, pelo chat online ou pelo Disque Denúncia 2253-1177.

     


    Tema:
    Estupro coletivo no Rio de Janeiro (15)

    Mais:

    Brasil: Adolescente é vítima de estupro coletivo e autores divulgam vídeo na internet
    Tags:
    denúncia, polícia, cultura do estupro, criminosos, Twitter, vídeo, suspeitos, crime hediondo, estupro coletivo, favela, morro, São José Operário, Jacarepaguá, Brasil, Rio de Janeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar