11:15 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Renan Calheiros recebe Michel Temer e Aécio Neves

    Em gravação, presidente do Senado defende alteração da lei da delação premiada

    Antonio Cruz / Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    Renúncia de Jucá (9)
    1427
    Nos siga no

    A Folha de São Paulo divulgou na manhã desta quarta-feira uma conversa gravada pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).

    No áudio, Calheiros diz ao Machado apoiar mudança na lei que trata da delação premiada. Segundo especulações da imprensa, objetivo principal disso seria evitar que presos colaborem com as investigações, o que tem sido um procedimento usado durante a Operação Lava Jato. 

    Na gravação, Renan parece sugerir a possibilidade de "negociar" com Supremo Tribunal Federal (STF) "a transição" de Dilma Rousseff, presidenta em afastamento. Machado e Renan são investigados no âmbito da Lava Jato. 

    Desde março, com medo de ser preso, Machado teria gravado pelo menos duas conversas entre ambos, com objetivo de negociar acordo de delação premiada. Segundo informou o jornal Valor Econômico, a homologação da delação já teria sido feita pelo ministro Teori Zavascki. 

    Sérgio Machado também gravou o senador Romero Jucá (PMDB-RR), ministro do Planejamento no governo Michel Temer. A revelação das conversas pela Folha de São Paulo, nesta segunda-feira (23), resultou na exoneração de Jucá.

    Em um dos diálogos com Renan, Machado sugeriu "um pacto", que seria "passar uma borracha no Brasil". Renan responde: "antes de passar a borracha, precisa fazer três coisas, que alguns do Supremo (inaudível) fazer. Primeiro, não pode fazer delação premiada preso. Primeira coisa. Porque aí você regulamenta a delação".

    Para Renan, os políticos todos "estão com medo" da Lava-Jato. "Aécio (Neves, presidente do PSDB) está com medo. 'Renan, queria que você visse para mim esse negócio do Delcídio, se tem mais alguma coisa'", contou Renan,

    A assessoria do presidente do Senado já reagiu à publicação e informou que os "diálogos não revelam, não indicam, nem sugerem qualquer menção ou tentativa de interferir na Lava Jato ou soluções anômalas. E não seria o caso porque nada vai interferir nas investigações."

    Segundo a presidência do senado, temas tratados na gravação seriam de conhecimento público. "Todas as opiniões do senador foram publicamente noticiadas pelos veículos de comunicação".

    Também por meio de nota, a Executiva Nacional do PSDB informou que vai "acionar na Justiça" o ex-presidente da Transpetro. O partido afirmou ser "inaceitável essa reiterada tentativa de acusar sem provas em busca de conseguir benefícios de uma delação premiada".

    Tema:
    Renúncia de Jucá (9)

    Mais:

    Romero Jucá diz que não tem nada a temer, mas decide se licenciar do cargo
    Vice-líder do PT diz que conversas de Jucá mostram ilegalidade do impeachment
    Diário Oficial: Romero Jucá é exonerado
    Dilma anuncia o ‘verdadeiro motivo’ do impeachment
    Tags:
    gravação, Operação Lava Jato, Folha de São Paulo, Transpetro, STF, Senado, Aécio Neves, Michel Temer, Dilma Rousseff, Sérgio Machado, Renan Calheiros, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar