00:36 14 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Ministro do Planejamento Romero Jucá e presidente interino Michel Temer

    Congresso Nacional discute revisão da meta fiscal de R$170 bi defendida por Temer e Jucá

    Lula Marques/Agência PT
    Brasil
    URL curta
    Brasil entre Temer e Dilma (110)
    1262

    Acontece nesta terça-feira (24) o início da sessão de votação no Congresso Nacional sobre a proposta defendida pelo exonerado ministro interino do Planejamento, Romero Jucá (PMDB), de rever a meta fiscal para 2016. Após os eventos de ontem, a reunião promete dar o que falar.

    A nova proposta do governo interino de Michel Temer – que, apesar dos gritos de “golpista” por parte dos manifestantes, foi pessoalmente entregar o texto ao presidente do Congresso Nacional nesta segunda-feira (23) – calcula um déficit das contas públicas de até R$ 170,5 bilhões este ano. Inicialmente, o governo da presidenta afastada, Dilma Rousseff, havia previsto um déficit de R$ 96,65 bilhões.

    “Eu soube que o déficit já teria passado de R$ 160 bilhões. O ministro Romero Jucá falou, trouxe informações que os cálculos já passam de R$ 160 bilhões e isso é preocupante”, disse o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), na última quarta-feira (18), antes dos eventos desta segunda.

    O problema é que, ao contrário do que fez Dilma, a equipe de Temer não especifica os itens do projeto de lei para justificar o gasto de R$150 bi nos próximos oito meses (dado que o cálculo de gastos para os quatro primeiros é de cerca de R$20 bi).

    ​Ontem, quando estourou o escândalo do grampo da conversa entre Jucá e o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, o senador Lindbergh Farias (PT) disse que é necessário suspender a Comissão do Impeachment, que também começa a se reunir hoje, devido à clara constatação de desvio de finalidade no processo de afastamento da presidenta Dilma Rousseff. 

    “Nós vamos obstruir a sessão do Senado, da Câmara, do Congresso Nacional; nós não vamos aceitar a alteração da meta fiscal. Essa meta foi proposta pelo senador e atual ministro do Planejamento Romero Jucá. Inclusive (…), encerro dizendo isso com muito cinismo, porque eles afastaram a presidenta Dilma com um discurso, o discurso de que ela não cumpriu a meta fiscal, de que ninguém podia gastar mais do que arrecada… Na outra semana eles mudam de opinião! Ampliaram gastos, e estão dizendo que o rombo de R$170 bi é da Dilma! Sabe qual é o déficit nos três meses – janeiro, fevereiro e março? R$15 bi. Com abril, o cálculo é que chegue a R$20 bi, em quatro meses. Os outros R$150 [bi] é deles [sic]. Eu pergunto: o que é que está por trás dessa conta? Tão querendo pagar a conta do impeachment?”

    Tema:
    Brasil entre Temer e Dilma (110)

    Mais:

    Diário Oficial: Romero Jucá é exonerado
    Jucá será afastado do Governo Temer na terça-feira
    Vice-líder do PT diz que conversas de Jucá mostram ilegalidade do impeachment
    Romero Jucá diz que não tem nada a temer, mas decide se licenciar do cargo
    Escândalo das gravações de Jucá gera revolta, piadas e memes na Internet
    Conversas gravadas de Jucá revelam que impeachment foi arquitetado para barrar a Lava Jato
    Tags:
    rombo, grampo, meta fiscal, revisão, golpe, impeachment, economia, Comissão do impeachment, Congresso Nacional, Sérgio Machado, Romero Jucá, Lindberg Farias, Michel Temer, Dilma Rousseff, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik