03:02 23 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    José Serra, chanceler do governo provisório Temer

    Menos um embaixador latino-americano em Brasília – Itamaraty continua calado

    © AFP 2017/ EVARISTO SA
    Brasil
    URL curta
    Brasil entre Temer e Dilma (110)
    12398466219

    Mais um líder sul-americano decidiu chamar seu representante em Brasília para consultas, depois das notas pouco delicadas do Itamaraty, redigidas pelo próprio José Serra, novo chanceler brasileiro. A medida sinaliza o agravamento da crise diplomática, que o governo interino de Temer teve já na primeira semana no poder.

    Foi anunciada ontem (18) a decisão do presidente equatoriano, Rafael Correa, de convocar o chefe da missão diplomática do país andino no Brasil de volta a Quito. Este já foi o terceiro embaixador estrangeiro a deixar a capital federal depois da canhoneada diplomática que o novo titular da pasta do Itamaraty, José Serra, redigiu pessoalmente, causando constrangimento nas relações entre o Brasil e os demais países da América Latina.

    O anúncio foi feito pelo ministro das Relações Exteriores equatoriano em entrevista coletiva com jornalistas estrangeiros. O chanceler se pronunciou ainda a favor da realização de uma reunião de alto nível da Unasul sobre a situação no Brasil, devido ao papel positivo da organização em anos precedentes em cenários de crise em países como Bolívia, Equador, Paraguai, Colômbia e Venezuela.

    “Eu acredito que a Unasul está destinada a exercer um papel. Está fazendo isso na Venezuela e está convocada a fazer o mesmo no Brasil", destacou.

    Poucas horas depois de MRE emitir, na sexta-feira 13, as notas oficiais, acusando Cuba, Venezuela, Bolívia, Equador e Nicarágua, assim como a Aliança Bolivariana dos Povos de Nossa América/Tratado de Comércio dos Povos (ALBA/TCP) de “propagar falsidades”, e questionando a compatibilidade do secretário-geral da UNASUL, Ernesto Samper, “às funções que exerce”, o primeiro líder da região, Nicolás Maduro, revogou o chefe da missão venezuelana à Caracas em represália ao que chamou da “dolorosa página na história do Brasil”, seguido pelo salvadorenho Sanchez Cerén, que anunciou na noite de sábado (14) a suspensão dos contatos oficiais entre os países.

    A reação dura do Itamaraty foi produzida em resposta às preocupações de vários governos da América Latina de que o distúrbio político no Brasil pode causar consequências profundas em toda a região, assim como ao apoio dado a Dilma Rousseff, "legítima depositária do mandato popular expresso nas últimas eleições democráticas”, por líderes destes países.

    Tema:
    Brasil entre Temer e Dilma (110)

    Mais:

    Itamaraty criticou declarações de 5 países sobre a crise no Brasil
    Governo interino de Temer avalia possível convocação de embaixador venezuelano
    Venezuela nega retaliação ao afastamento de Dilma
    Tags:
    diplomacia, crise, Alba, MRE, Unasul, Itamaraty, Salvador Sanchez Ceren, José Serra, Ernesto Samper, Michel Temer, Rafael Correa, Nicolás Maduro, Dilma Rousseff, San Salvador, El Salvador, Quito, Brasília, Caracas, Venezuela, Equador, América Latina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik