11:47 23 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    2126
    Nos siga no

    A equipe do filme brasileiro "Aquarius", que concorre à Palma de Ouro do 69ª Festival de Cannes, aproveitou a sessão de gala desta terça-feira para mostrar ao mundo a sua indignação diante dos acontecimentos políticos recentes do Brasil, protestando contra um suposto golpe de Estado que teria ocorrido no país.

    Em sua passagem pelo tapete vermelho, a atriz Sônia Braga e seus colegas ergueram cartazes chamando a atenção para a grave violação que estaria acontecendo no Brasil com o impeachment da presidenta Dilma Rousseff, eleita com 54 milhões de votos e afastada na última semana após a abertura de um processo de impeachment apoiado pelo seu vice, o presidente interino Michel Temer. 

    O longa do diretor Kleber Mendonça Filho, aclamado pela crítica após o seu trabalho em "O som ao redor", narra a história da escritora aposentada Clara (Sônia Braga), que, viúva e mãe de mãe de três filhos, se vê tendo que lidar com as tentativas de empresários que desejam construir um novo empreendimento no prédio onde mora, o Aquarius, na cidade de Recife. O filme é o único latino-americano entre os 20 títulos que concorrem à principal premiação do festival francês. A única vez em que o Brasil conquistou a Palma de Ouro em Cannes foi em 1962, com "O pagador de promessas", de Anselmo Duarte.

    Mais:

    Dois filmes brasileiros são premiados no Festival de Veneza
    Críticos escolhem 'Francofonia' como melhor filme do Festival de Veneza
    Ancine: participação brasileira no Festival de Berlim foi histórica
    Tags:
    França, Brasil, Cannes, América Latina, Sônia Braga, Kleber Mendonça Filho, Anselmo Duarte, Dilma Rousseff, Michel Temer, Festival de Cannes, Aquarius, O som ao redor, O pagador de promessas, Palma de Ouro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar