04:08 28 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    474
    Nos siga no

    A presidenta Dilma Rousseff chamou o processo de impeachment de "interrupção ilegal e usurpadora" do seu mandato e disse que vai lutar com "todos os instrumentos" para impedir que saia do cargo.

    "Vou lutar com todos os instrumentos que tenho, democráticos e legais, para impedir a interrupção ilegal e usurpadora do meu mandato por traidores, pessoas que não têm condições de se apresentar ao Brasil e se eleger. Vou lutar porque o povo brasileiro merece respeito, consideração e sobretudo a democracia que conquistamos com tanto esforço. A democracia sem dúvida é o lado certo da história, a história também julgará os golpistas e julgadores", disse durante evento em Goiânia.

    A presidenta disse que o Legislativo "está parado por conta do ex-presidente da” Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, que ainda não nomeou os integrantes das comissões da Casa. "O que ele queria? Impedir que a Comissão de Ética o julgasse e para isso ele precisava de três votos. Queria que nós do governo lhe déssemos três votos. Como não lhe demos, ele aceitou o pedido do processo de impeachment que estava protocolado na Câmara".

    Nesta tarde, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), decidiu manter o trâmite do processo de impeachment da presidenta no Senado, ignorando a decisão do presidente em exercício da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP-MA), que anulou a sessão da Câmara que aprovou a continuidade do processo, informou Agência Brasil.

    Mais:

    Renan Calheiros determina continuidade do processo de impeachment no Senado
    Deputados comentam decisão do presidente da Câmara de anular sessão do impeachment
    AGU diz que prosseguimento do impeachment no Senado é 'insustentável'
    Tags:
    impeachment, Senado Federal, Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão, Eduardo Cunha, Renan Calheiros, Dilma Rousseff, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar