00:34 25 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Presidente da Câmara dos Deputados – Eduardo Cunha

    Cunha diz que decisão de Waldir Maranhão é “irresponsável”

    Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    20713

    Deputado e presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha criticou a decisão do presidente em exercício da Casa, Waldir Maranhão de anular a admissibilidade do processo dde impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

    Deputado e presidente afastado da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) criticou a decisão do presidente em exercício da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), de anular as sessões da Câmara dos dias 15, 16 e 17 de abril, quando foi aprovada a admissibilidade do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff e, consequentemente, anular a  admissibilidade do processo. Em nota, Cunha diz que a decisão é antirregimental.

    “A decisão do presidente em exercício da Câmara dos Deputados é absurda, irresponsável, antirregimental e feita à revelia do corpo técnico da Casa, que já tinha manifestado a posição de negar conhecimento ao recurso, cuja assinatura eu iria apor na quinta-feira (5), data do meu afastamento”, diz trecho da nota de Cunha.

    Eduardo Cunha condenou também insinuações feitas por alguns veículos de comunicação de que ele (Cunha) teria participado do episódio que levou ao deferimento do recurso do AGU, para mostrar que a Câmara dependeria dele para levar adiante o processo de afastamento da presidenta Dilma Rousseff. “Condeno as insinuações de qualquer natureza publicadas por jornalistas inescrupulosos de qualquer participação minha no episódio”, informa Agência Brasil.

    Mais:

    Ministro do STF rejeita pedido de anulação do impeachment na Câmara
    AGU diz que prosseguimento do impeachment no Senado é 'insustentável'
    Internet brasileira reage em peso à última reviravolta no processo de impeachment
    Tags:
    impeachment, Câmara dos Deputados, AGU, Dilma Rousseff, Waldir Maranhão, Eduardo Cunha, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar