03:03 19 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Zika Vírus

    Ministério da Saúde: 1.271 casos de microcefalia são confirmados no Brasil

    © REUTERS / CDC/Cynthia Goldsmith
    Brasil
    URL curta
    0 13

    O Ministério da Saúde confirmou nesta quarta-feira que, até dia 30 de abril, 1.271 bebês nasceram com microcefalia e outras alterações do sistema nervoso por causas infecciosas em todo o país, informou Agência Brasil.

    Foram notificados 7.343 casos suspeitos, dos quais 2.492 descartados e 3.580 estão em investigação para diagnóstico conclusivo. Os dados são de registros feitos a partir de outubro de 2015, quando a microcefalia começou a ter notificação obrigatória pelo ministério.

    A microcefalia é uma malformação congênita, em que o cérebro não se desenvolve de maneira adequada. Além da microcefalia, já se sabe que a infecção pelo vírus Zika em gestantes também pode ocasionar problemas na visão, no coração e outros problemas neurológicos no feto.

    A microcefalia pode ser causada por diversos agentes infecciosos além do Zika, como sífilis, toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus e herpes viral.

    Dos casos confirmados, 203 tiveram confirmação laboratorial para o vírus Zika. No entanto, o Ministério da Saúde destacou que esse dado reflete um número inferior à totalidade do número de casos relacionados ao vírus. Para o ministério, a maior parte dos casos foi causada pelo Zika, mas isso não foi comprovado em laboratório.

    A chegada do vírus Zika ao Brasil elevou o número de nascimentos de crianças com microcefalia de 147, em 2014, para pelo menos 1.271 casos de outubro do ano passado a 30 de abril deste ano.

    Mais:

    Ministério da Saúde: 91 mil casos prováveis de Zika foram registrados em dois meses
    OMS confirma diminuição da propagação do Zika no Brasil
    Zika ameaça 2 bilhões de pessoas, afirma estudo da Oxford e de Washington
    Estudo confirma ligação entre Zika e microcefalia
    Tags:
    zika, microcefalia, Ministério da Saúde, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar