17:25 23 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Ato contra o impeachment em Brasília
    Fábio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil/FotosPúblicas

    PT e movimentos sociais se organizam ante um eventual Governo Temer

    Brasil
    URL curta
    27122

    Com a definição nesta terça-feira, 26, do presidente e do relator da Comissão Especial do Senado para o impeachment de Dilma Rousseff, cresce no PT e nos movimentos sociais que apoiam a presidente a tendência a resistir ao processo.

    O Deputado Federal Pepe Vargas (PT-RS) é um dos nomes do Partido dos Trabalhadores que estão na linha da frente dessa resistência. Em entrevista à Sputnik Brasil, o parlamentar insistiu na tese do golpe contra a presidente da República, assegurando que o processo de impeachment não tem base alguma, pelo fato de que “Dilma Rousseff não cometeu crime algum”.

    De acordo com o parlamentar, “estamos atentos à capacidade de mobilização dos movimentos sociais. Como, por exemplo, a Frente Brasil Popular, que reúne vários agrupamentos defensores da presidente da República e contrários ao clima golpista instalado no país. Além disso, o PT e os movimentos sociais costumam realizar em todo 1.º de Maio shows e manifestações em todo o país. Este ano, as iniciativas serão ainda mais intensas.”

    Entre os manifestantes, Pepe Vargas constatou uma surpresa: “Grupos que, declaradamente, são contra nós [PT e Governo] também vão aproveitar este período para protestar. Os integrantes destes grupos não concordam com o Governo Dilma Rousseff mas são a favor da democracia, da legalidade e da Constituição do país. E, nesta condição, não veem legitimidade neste processo de impeachment contra a presidente da República.”

    Vargas também comentou as declarações do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva na segunda-feira, 25, de que “haverá muita luta e muito combate democrático no país daqui para a frente”. O deputado observou:

    “O que o presidente [Lula] quis dizer é que todos nós estamos muito atentos às conquistas sociais que os Governos Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff asseguraram à população do Brasil. Por isso, vamos resistir muito se um eventual Governo Michel Temer derrubar estas conquistas. Aqui e ali, temos ouvido comentários de que tais e tais projetos poderão ser implantados no país, em detrimento dos ganhos sociais que proporcionamos à população.”

    Finalmente, o Deputado Pepe Vargas acrescentou que seu grupo está atento a possíveis mudanças na política externa do Brasil:

    “Os Governos do PT valorizaram as relações com os países da América Latina e da África, e procuraram fortalecer organismos como Mercosul, Parlasul e Unasul, além do bloco BRICS. Michel Temer, se assumir a Presidência, vai priorizar uma reaproximação com os Estados Unidos e os países da Europa. Ele também poderá mudar as regras para exploração de petróleo, acabando com o sistema de partilha e retomando o sistema de concessões, o que é o sonho das grandes empresas petroleiras multinacionais. Então, vamos acompanhar tudo isso, da forma mais vigilante possível, e estaremos prontos para denunciar todas as ameaças que vierem a recair sobre o Brasil.”

    Mais:

    Antonio Anastasia é eleito relator da comissão do impeachment do Senado
    Fernando Collor sobre impeachment: sem comparação entre 1992 e 2016
    Resenha: O andamento do impeachment no Senado
    Tags:
    movimentos sociais, golpe de Estado, democracia, oposição, impeachment, PT, BRICS, Pepe Vargas, Michel Temer, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff, África, América Latina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar