10:44 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Manifestação na av. Paulista
    Robson Fernandjes / Fotos Públicas

    PT pede apoio a organizações sociais, sindicais e estudantis contra o impeachment

    Brasil
    URL curta
    Impeachment no Senado (104)
    47164
    Nos siga no

    O Partido dos Trabalhadores promete não dar trégua a Michel Temer, caso a Presidenta Dilma Rousseff seja afastada do cargo pelo Senado e o vice assuma a Presidência da República.

    Em entrevista após reunião do Diretório Nacional, que contou com a participação do ex-Presidente Lula, o presidente Nacional do PT, Rui Falcão, afirmou que um Governo chefiado por Michel Temer e Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados, não vai ter o reconhecimento do Partido.

    “Caso essa hipótese do afastamento venha a ocorrer, se implantará no país um governo antidemocrático, ilegítimo, ilegal, que não será reconhecido por nós.”

    Rui Falcão garantiu que o PT, com o apoio de organizações sindicais, sociais e estudantis, coordenadas pelos movimentos Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, promete intensificar para os próximos dias novas manifestações a fim de pressionar o Senado Federal contra o seguimento do processo de impeachment da Presidenta Dilma.

    “Decidimos que retomaremos de imediato as manifestações populares, e as mais diferentes formas de luta com os movimentos, no sentido de ganhar a batalha no Senado Federal. Nós continuamos acreditando que a mobilização popular e social pode levar a garantia do mandato de uma presidente que foi eleita com mais de 54 milhões de votos, contra a qual não pesa nenhuma denúncia de corrupção, nenhuma denúncia de recebimento de propina, nenhuma conta no exterior, e que tampouco cometeu crime de responsabilidade.”

    Rui Falcão ainda lamentou o comportamento de alguns deputados durante a votação do impeachment na Câmara, no domingo, 17, algo que foi definido por ele como “circo de horrores”. Falcão reafirmou que pelo nível dos discursos há necessidade de uma reforma política urgente no país.

    Na entrevista, Falcão lembrou que o mandato da Presidenta Dilma já recebeu diversas declarações de apoio e solidariedade internacional, e aproveitou para agradecer o empenho dos apoiadores do Governo para tentar barrar o impeachment na Câmara dos Deputados.

    “Ressaltamos o papel do movimento de mulheres, da juventude, dos artistas e intelectuais que deram outra dimensão ao movimento. Mesmo os que são críticos ao Governo deram peso maior à democracia.”

    O presidente do PT agradeceu ainda a todos os parlamentares e governadores, inclusive os de outras legendas, que trabalharam em defesa da democracia.

    Além das manifestações programadas para os próximos dias, Falcão destacou a realização de um grande ato em 1.º de maio, Dia do Trabalhador, realizado pelas centrais sindicais e com a participação do PT.

    Tema:
    Impeachment no Senado (104)

    Mais:

    Exclusivo: deputado Sibá Machado (PT-AC) fala em consolidação do golpe pela Câmara
    Presidente do PT: 'a infâmia e o golpismo feriram a democracia, rasgando a Constituição'
    Tags:
    Dia do Trabalhador, PT, Michel Temer, Rui Falcão, Eduardo Cunha, Dilma Rousseff, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar