07:40 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Moradores protestam contra a presidenta Dilma Rousseff em Copacabana, Rio de Janeiro

    Manifestantes pró e contra impeachment disputam Copacabana

    © REUTERS / Sergio Moraes
    Brasil
    URL curta
    2354

    Depois de a Polícia Militar definir com manifestantes pró e contra Governo Dilma as regras para que atos opostos aconteçam na Praia de Copacabana, no domingo, 17, dia da votação do impeachment na Câmara, o secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, anunciou que por questões de segurança vai rever a autorização dada pela PM.

    Em reunião na quarta-feira, 13, com representantes dos movimentos Vem pra Rua, Brasil Livre e Frente Brasil Popular, o Comando da PM deu aval para que a Frente Brasil Popular se concentrasse a partir das 9h no Posto 5, em Copacabana, e que a manifestação se encerrasse às 13h. Já os movimentos Vem Pra Rua e Brasil Livre se concentrariam a partir das 15h, no mesmo local, com término às 19h.

    Ao falar à Agência Brasil, a coordenadora no Rio de Janeiro do movimento Vem pra Rua, Adriana Baltazar, alega que o protesto a favor do impeachment da Presidenta Dilma tem prioridade, pois protocolou um pedido de autorização com mais antecedência do que os organizadores do ato contra o impedimento.

    “Aquele lugar ali ficou caracterizado como de manifestação dos grupos antigoverno”, diz Adriana. “Tanto é assim que eles nos criticam muito por o lugar ser Copacabana, ser na orla, é coxinha. Eu não vejo por que eles resolverem se manifestar de manhã, sendo que a votação é à tarde, para fazer um esquenta para depois eles irem para o local deles que é no Centro. Por que não se faz no Centro?”

    Já o ato do empresário Rômulo Costa, fundador da gravadora Furacão 2000, que está convocando a população do Rio de Janeiro para um grande baile funk contra o impeachment, afirma que o espaço é público e garante que a escolha pelo local não foi uma provocação à oposição.

    “A nossa manifestação ia ser feita até as 15 horas, e nós antecipamos para 13 horas. É o carro de som, as pessoas são das comunidades, sem confronto. Estamos convocando as famílias, é a democracia. Eles têm o pensamento deles, e nós temos o nosso. Nós somos contra o impeachment, não tem violência, não tem briga, não tem nada. Da minha parte, se não for em Copacabana, eu estou fora.”

    Com a polêmica instalada, a Secretaria de Segurança ainda não definiu qual dos dois atos vai ter a autorização para Copacabana, e também não divulgou como será o esquema de segurança para o dia da votação do impeachment.

    Além dos protestos na Zona Sul, também está prevista uma vigília organizada pelo movimento Frente Brasil Popular a partir das 16 horas de domingo na Lapa. No mesmo horário, uma carreata sairá da Baixada Fluminense para se juntar à vigília.

    Mais:

    AGU entra com ação junto ao STF para anular processo de impeachment na Câmara
    Intelectuais pedem ao STF isenção no julgamento do impeachment
    Governo afirma ter votos suficientes para barrar impeachment na Câmara
    Lula articula frente pela democracia com assinaturas suficientes para barrar impeachment
    Dilma exonera ministros para votarem contra impeachment
    Tags:
    impeachment, Furacão 2000, Rômulo Costa, Rio de Janeiro, Brasil, Copacabana
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik