23:58 18 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Inauguração do Estádio Aquático Olímpico no Rio de Janeiro
    Beth Santos/ PCRJ

    Clima de quanto pior melhor não interessa ao Brasil, segundo Dilma Rousseff

    Brasil
    URL curta
    Rio 2016 (253)
    1391

    A Presidenta Dilma Rousseff, voltou a afirmar nesta sexta-feira que o clima do atual cenário político do Brasil, do “quanto pior melhor”, dificulta a retomada econômica e a estabilidade do país.

    Em pronunciamento durante a inauguração do Estádio Aquático Olímpico, no Parque Olímpico da Barra, no Rio de Janeiro, Dilma defendeu que a realização dos das Olimpíadas de 2016 na cidade é um exemplo para todo o Brasil de que com diálogo e parceria é possível fazer o país voltar a crescer.

    “Eu acho que, hoje, no Brasil, tem um certo clima — que não chamo de mau humor — que eu chamo de quanto pior melhor. Acho que um clima de quanto pior melhor não interessa ao país, não interessa à necessária estabilidade econômica e política do país. Se nós somos capazes de fazer uma Olimpíada, uma Paraolimpíada, somos capazes de fazer também o nosso país voltar a crescer. Para isso, um elemento é fundamental: o elemento da convergência, do diálogo e da parceria. Esse é um símbolo e um exemplo para o Brasil de que é possível fazer, quando pessoas de bem se unem em prol do bem do povo brasileiro”.

    De acordo com a presidenta, no que diz respeito à preparação para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, são poucas as obras que faltam a ser entregues, e, graças aos esquemas de segurança que estão sendo montados, não há dúvidas de que os eventos ocorrerão na mais perfeita harmonia. 

    “Nós temos a segurança em dia, e isso significa também um grande acúmulo que nós tivemos durante a Copa do Mundo, quando tivemos 12 Centros de Comando e Controle. A segurança estando em dia significa que nós teremos essa Paraolimpíada e a Olimpíada da mesma forma que tivemos a Copa, com paz e tranquilidade”.

    Para a chefe de Estado brasileira, os Jogos do Rio representarão uma excelente oportunidade para mostrar o poder do laço esportivo, que, segundo ela, se traduz na "união entre povos, entre diferentes etnias, entre diferentes convicções religiosas".

    Ao lado de Dilma, também estiveram presentes na cerimônia desta sexta-feira o vice-governador do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles, o prefeito da cidade, Eduardo Paes, atletas, membros do Comitê Olímpico Brasileiro e os ministros da Ciência e Tecnologia e Inovação, Celso Pansera, e da Saúde, Marcelo Castro, que, mesmo sendo do PMDB, decidiram permanecer em suas pastas após o rompimento do seu partido com a base do governo.

    Tentando acalmar os ânimos dos mais preocupados com a possibilidade de uma epidemia de zika ou de outras doenças causadas pelo Aedes Aegypti durante as Olimpíadas, Castro aproveitou a oportunidade para falar sobre as ações de combate que estão sendo adotadas contra o mosquito, principalmente nas instalações olímpicas, e para garantir que o Ministério da Saúde também está preparado para outros tipos de ameaças durante o evento.

    “Nós estamos preparados para qualquer ameaça que venha do campo químico, biológico, radiológico e nuclear, com 1700 pessoas treinadas e preparadas para […] operar conjuntamente. É claro que nós estamos vivendo um momento crítico de transmissão de doenças como a dengue, a chincungunya e o zika vírus. Nós estamos fazendo aqui uma ação conjugada à Prefeitura Municipal e ao Governo do Estado. Essas ações estão sendo intensificadas. Inclusive, baixamos uma portaria para contratar mais agentes de combate às endemias. Nós esperamos que possamos ter sem nenhuma dúvida uma Olimpíada e uma Paralímpiada bastante cuidadas e protegidas do ponto de vista da saúde”.

    O Ministério da Saúde entregou nesta sexta-feira 146 ambulâncias de UTI móvel ao Governo do Rio de Janeiro para servir aos turistas e atletas durante os Jogos Rio 2016 e nos eventos pré-olímpicos.

    Tema:
    Rio 2016 (253)
    Tags:
    Aedes Aegypti, zika, Chikungunya, dengue, saúde, Jogos Olímpicos, PMDB, Francisco Dornelles, Marcelo Castro, Celso Pansera, Eduardo Paes, Dilma Rousseff, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik