06:01 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Cerimônia de posse do segundo mandato da Presidenta Dilma Rousseff

    E a luta pelo trono continua: Renan Calheiros critica rompimento do PMDB com governo

    Lula Marques / Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    731294213

    O mirabolante cenário político brasileiro tem cada vez mais inspirado comparações com enredos ficcionais e até sobrenaturais de séries como Game of Thrones.

    Por mais fantasiosos que sejam, os fatos narrados refletem o plano real – clãs de várias famílias, ou partidos, disputam poder numa sucessão novelesca de coligações e rompimentos dramáticos, heróis personificados em juízes transbordam paixões e ódios populares, bastiões da justiça e da razão perdem a máscara e transparecem suas facetas perversas.

    ​A lista de comparações poderia ser grande e a imaginação é o limite. A religião, por exemplo, também não ficaria de fora. Retratada na série como uma força poderosa e, acima de tudo, incontrolável, não é difícil de traçar o paralelo com o preocupante avanço dos valores e moralismos religiosos na vida política do país.

    Mas um dos últimos capítulos dessa luta pelo trono no Planalto foi o posicionamento crítico do presidente do Senado Renan Calheiros com relação ao rompimento de seu partido, o PMDB, com o governo do PT. Dois dias após o desembarque, o senador expôs sua postura contrária à legenda, tachando a decisão de precipitada e "pouco inteligente".

    "Evidente que isso [rompimento] precipitou reações em todas as órbitas. No PMDB, no governo, nos partidos da sustentação, oposição, o que significa, em outras palavras, dizer, em bom português, que não foi um bom movimento, um movimento inteligente" – afirmou o peemedebista.

    Como não poderia deixar de ser numa boa trama de série televisiva, o rompimento é dramático e repleto de artimanhas e contradições. Assim, apesar de ter determinado a entrega de todos os cargos no Executivo, o partido não viu problema em manter o presidente da legenda Michel Temer no cargo de vice da República. Tampouco, viu necessidade em prestar qualquer explicação ou retratação perante a sociedade, como se, após anos junto ao Governo, não tivesse tido qualquer responsabilidade pelo atual cenário do país.

    O plano do PMDB parece digno de Westeros: romper com um antigo aliado que perdeu a legitimidade, tornando sua queda inevitável, para em seguida assumir seu lugar e ressurgir como um possível e eventual salvador da pátria, apto a tirar o país da caótica situação em que se encontra, com Temer assumindo o trono, é claro.

    A manobra do PMDB, no entanto, exclui totalmente a possibilidade de Dilma se livrar do impeachment e continuar no cargo. E, de fato, nem tudo parece estar indo conforme o planejado.

    Dos sete ministros do partido, apenas um seguiu a orientação do Diretório Nacional, enquanto os demais anunciaram intenção de manter os cargos, num claro sinal de desmoralização para a autoridade de Temer como dirigente partidário. Nesse sentido, o posicionamento crítico de Renan Calheiros também parece bastante oportuno, levando em conta a sua rivalidade pelo controle da legenda.

    Além disso, a aspiração do PMDB em inspirar uma debandada das demais siglas, garantindo o êxito do impeachment, também não parece ter dado certo. Pelo contrário, o desembarque deu ao Governo de Dilma a oportunidade de tentar recompor a sua base aliada, podendo, inclusive, optar pela saída dos seis peemedebistas que preferiram permanecer no Executivo.

    Mas enquanto os personagens dessa complexa trama se preparam para fazer suas próximas jogadas, resta aos espectadores aguardar pelos próximos episódios. E a luta pelo trono continua.

    Tags:
    Game of Thrones, trono, poder, política, PMDB, Michel Temer, Renan Calheiros, Dilma Rousseff, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik