03:32 21 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Manifestação contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff no Rio de Janeiro

    Ato contra o golpe reúne milhares de manifestantes no Rio de Janeiro

    Serguei Monin / Sputnik Brasil
    Brasil
    URL curta
    522212
    Nos siga no

    Nesta quinta-feira, 31 de março, data que marca o 52º aniversário do golpe militar que submeteu o Brasil a mais de duas décadas de ditadura, manifestantes de todo o país foram às ruas para protestar contra o que acreditam ser uma nova tentativa de golpe de Estado, que se articula com o possível impeachment da presidenta Dilma Rousseff.

    No Rio de Janeiro, milhares de pessoas, ligadas ou não a movimentos políticos, enfrentaram sol e chuva para demonstrar o seu apoio ao sistema democrático brasileiro e dizer "não" àqueles que insistem na saída antecipada da chefe de Estado eleita.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, um membro da organização Levante Popular da Juventude, identificado apenas como Rafael, disse que a atual administração, de Dilma, ainda está muito longe do ideal, mas nem por isso merece ser impedida de terminar o seu mandato, uma vez que não existe fundamento para isso. 

    “Entendemos que estamos numa situação muito ruim hoje de crise econômica, social e política, mas nem por isso a saída é esse impeachment golpista, um impeachment em que não há crime de responsabilidade, impeachment em que quem vai estar à frente é o Eduardo Cunha (presidente da Câmara dos Deputados), que é réu. Eduardo Cunha, que é inimigo da juventude, inimigo das mulheres, inimigo do povo negro. Então, nós entendemos que é preciso estar na rua para barrar essa tentativa de golpe", afirmou. 

    Manifestantes pedem a prisão do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, durante ato contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff no Rio de Janeiro
    Serguei Monin / Sputnik Brasil
    Manifestantes pedem a prisão do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, durante ato contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff no Rio de Janeiro

    Segundo o ativista, forças mais conservadoras estão hoje numa tentativa de desestabilizar o governo, para então substituí-lo por algo "muito pior".

    "Nós temos que entender que apesar deste governo estar muito longe dos nossos interesses, da juventude, a derrubada dele hoje seria seria um projeto muito pior, seria um projeto em que a juventude sentiria na pele, muito mais fortemente, o programa neoliberal que foi implementado nos anos 90".
    Ato pela democracia e contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff no Rio
    Serguei Monin / Sputnik Brasil
    Ato pela democracia e contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff no Rio

    Criado em 2012, o Levante Popular da Juventude foi pensado como uma plataforma para reunir jovens da periferia, das universidades, das escolas básicas e do campo em uma mesma organização, com objetivo de trabalhar contra as injustiças e desigualdades e em prol da transformação social.

    Mais:

    Brasil contra o golpe, ao vivo
    Artistas e intelectuais encontram Dilma em ato 'contra impeachment e pela democracia'
    O golpe viaja: As articulações do impeachment em Lisboa
    Tags:
    impeachment, golpe, Sputnik Brasil, Dilma Rousseff, Eduardo Cunha, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar