00:23 22 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    4920
    Nos siga no

    No mesmo dia em que o povo é conclamado às ruas para defender a democracia no país, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), citado múltiplas vezes na Lava Jato, afirmou nesta quinta-feira (31), em um seminário na Universidade de Lisboa, que a presidenta Dilma Rousseff - sobre quem não pesa nenhuma acusação criminal - “perdeu legitimidade” e deve sair.

    ​“Qualquer que seja o desfecho desta crise, a grande verdade é que nós teremos tempos difíceis pela frente”, disse ele, participando do V Seminário Luso-Brasileiro de Direito na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. “Não conseguiremos sair dessa crise sem traumas, mas hoje, o trauma maior será a permanência da presidente Dilma no poder”.

    Aécio seguiu destilando uma série de declarações a favor do impeachment de Dilma, mesmo sem dispor de nenhum fundamento jurídico para apoiar a tese diante de um seminário de Direito. O tucano ainda insistiu que “não existe nada que se assemelhe à um golpe de Estado” no Brasil. 

    Enquanto isso, do lado de fora do seminário, manifestantes protestavam contra a articulação da derrubada ilegal da presidenta eleita, carregando faixas e gritando frases como “Golpe nunca mais” e “Golpistas fascistas não passarão”.

    O senador José Serra (PSDB-SP) também participou do encontro em Lisboa, onde defendeu a mudança do regime presidencialista para o parlamentarismo, dizendo que “no presidencialismo, mudança de governo é crise; no parlamentarismo, é solução”.

    “Eu nunca acreditei que a presidente Dilma conseguisse completar o seu segundo mandato", disse ainda o senador. "Eu acredito que ela não se manterá”.

    Na terça-feira (29), primeiro dia do seminário, Serra chegou acompanhado do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes. Ambos foram recebidos com vaias e gritos por manifestantes contra o impeachment de Dilma. 

    Já o vice-presidente Michel Temer, que seria um dos principais participantes, desistiu de viajar a Portugal para ir à reunião do PMDB na terça-feira (29), onde grande parte do partido decidiu abandonar o governo em meio à crise política. Em vez disso, Temer enviou um vídeo para ser apresentado no seminário.

    O senador Jorge Viana (PT-AC), por sua vez, ressaltou em sua fala que a saída do PMDB da base governista foi uma decisão “lamentável” e fez duras críticas para “denunciar o golpe político que estão dando, rasgando a constituição da república federativa do Brasil”. 

    “No Brasil, nós estamos vivendo um momento de atropelamento constitucional, e lamentavelmente o PMDB se assumiu nessa posição”, continuou o senador. “Isto é muito ruim para a institucionalidade brasileira, pois desmoraliza o país interna e externamente”.

     


    Mais:

    Lula diz que impeachment sem motivo é golpe e que mídia cria clima de ódio no país
    América Latina se levanta contra golpe articulado no Brasil por interesses estrangeiros
    Em discussão: impeachment ou golpe?
    Manifestantes vão às ruas contra o impeachment e pela democracia em todo o Brasil
    ‘Decisão da OAB pró-impeachment é inaceitável para o sentimento jurídico dos advogados’
    Tags:
    Brasil, Portugal, Lisboa, Dilma Rousseff, Michel Temer, Aécio Neves, José Serra, Gilmar Mendes, PT, PMDB, Universidade de Lisboa, Faculdade de Direito, V Seminário Luso-Brasileiro de Direito, impeachment, democracia, manifestações, golpe, crise política, BrasilContraOGolpe
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar