05:31 24 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante ato na Avenida Paulista contra o impeachment e a favor da democracia

    Lula: ‘Se for a última coisa que eu puder fazer na vida, vou ajudar Dilma a governar’

    Juca Varella/Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    711516256

    O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou a Operação Lava Jato durante um ato contra o impeachment presidencial que, promovido pelas centrais sindicais, reuniu cerca de mil pessoas em São Paulo.

    ​Durante seu discurso, Lula disse que a operação anticorrupção está causando prejuízos à economia brasileira. 

    “Essa Operação Lava Jato é uma necessidade para esse país. Eles estão dizendo que vão recuperar não sei quantos bilhões, não tem problema. Eu queria que vocês procurassem a força-tarefa, procurassem o juiz Sérgio Moro, para saber se eles estão discutindo quanto essa operação  já deu de prejuízo à economia brasileira, se não é possível  fazer o combate à corrupção sem fechar as empresas, sem causar desemprego, porque, segundo o FMI, 2,5% da queda do PIB se deve ao pânico criado na sociedade brasileira”.

    O ex-presidente também falou sobre a suspensão de sua posse como ministro-chefe da Casa Civil e afirmou que se engana quem pensa que ele só pode ajudar o governo como ministro. 

    Lula disse ainda que vai ajudar Dilma a governar com a decência que o povo brasileiro merece. 

    “Se tem uma coisa que eu puder fazer na vida, e for a última coisa que eu puder fazer na vida, eu vou ajudar a Dilma a governar esse país”, declarou.

    Juiz federal Sérgio Moro
    Fábio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil/FotosPúblicas
    Lula contou que a presidenta já o tinha chamado para fazer parte do governo em agosto do ano passado e que, na ocasião, ele não aceitou o convite. No entanto, com o agravamento da crise política, Dilma insistiu. O ex-presidente disse que chegou a resistir, justamente porque não queria causar a impressão de que buscava privilégios, mas acabou aceitando porque, em suas palavras, tem certeza de que pode ajudar a presidenta com o que ele “mais sabe fazer na vida, que é conversar e ouvir as pessoas”.

    “E aceitei – é importante que vocês, dirigentes sindicais, saibam, e que os trabalhadores saibam, que eu aceitei porque tenho plena consciência de que posso ajudar a Dilma com aquilo que eu mais sei fazer na vida, que é conversar e tentar fazer com que as pessoas compreendam que nós, que somos governantes, teremos mais facilidade de governar tentando colocar em prática o que pensam as pessoas, do que a gente tentar governar apenas pela nossa própria sabedoria”, discursou o líder político.  

    Sobre a questão do impeachment, o ex-presidente ressaltou que não existe razão legal para o processo e pediu o apoio das centrais sindicais, garantindo que não vai aceitar um golpe político contra a presidenta. 

    “É golpe, e este país não pode aceitar um golpe contra Dilma. A economia a gente resolve amanhã ou depois de amanhã; mas evitar um golpe, é hoje”, ressaltou, pedindo ainda aos deputados e senadores seis meses de paciência para provar que o Brasil pode voltar a ser “o país da alegria”.

    Mais:

    Dilma conta os votos e acredita que processo de impeachment vai ser barrado na Câmara
    Governo se articula para impedir impeachment e garantir nomeação de Lula
    Dilma: Decisão de Teori é importante para investigação de Lula, mas não é para comemorar
    As 11 mensagens mais engraçadas recebidas pela mulher que foi confundida com Lula
    Lava Jato: Teori sofre ameaças após privar Moro da investigação sobre Lula
    Tags:
    sindicalistas, povo brasileiro, Casa Civil, ajudar, sindicatos, ministro, golpe, Operação Lava Jato, governo, corrupção, Luiz Inácio Lula da Silva, Lula, Dilma Rousseff, São Paulo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik