07:22 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Favela Mineira no Rio de Janeiro
    © AFP 2019 / YASUYOSHI CHIBA / AFP

    Internet, baile de favela: Como a inclusão digital afeta as comunidades pobres do Rio

    Brasil
    URL curta
    651
    Nos siga no

    O professor João Cláudio Pitillo, ex-diretor da Federação das Associações de Favelas do Estado do Rio de Janeiro (FAFERJ) – entidade autônoma cinquentenária que tem por missão ajudar no estabelecimento e na organização das associações de moradores das favelas do estado do Rio – falou nesta terça-feira (15) à rádio Sputnik sobre a questão.

    Uma das iniciativas exemplares da FAFERJ nesse sentido, segundo lembra Pitillo, era um projeto de inclusão digital que focava na alfabetização de jovens e adultos e na geração de renda via cursos de capacitação – tudo isso através da internet. 

    Além disso, a tecnologia informática também fornece uma ligação das favelas com o mundo exterior. Segundo observa o professor, que atualmente trabalha como pesquisador do Núcleo das Américas da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), isso significa que os moradores das favelas podem mostrar seus problemas para o mundo e receber experiências de diversos lugares para melhorar sua própria situação.

    “A favela é um local onde se carece de tudo: ali está a classe que sobra. Mas tem duas coisas que não faltam na favela: dinamismo e expertise daquela população em sobreviver aos problemas que a sociedade nos impõe. E isso é uma experiência que eles trocam em larga escala com outras sociedades, com outros povos”.

    Entretanto, a partir do processo de “pacificação” no Rio de Janeiro – “que não pacificou nada”, segundo Pitillo – surge também a ideia de se vender a favela de forma “caricata e fantasiosa” para o mundo exterior, sem se preocupar em resolver de fato os problemas sofridos pelos moradores.

    “Você vem, observa a miséria, fica boquiaberto com como aquele cidadão é ‘honesto e trabalhador’ apesar daquilo tudo, e depois vai embora”, disse Pitillo, referindo-se à indústria que se formou em cima dos passeios turísticos nas favelas cariocas.

    ​A formação de telecentros e a promoção da inserção digital em um primeiro estágio é, portanto, essencial, do ponto de vista da melhoria da qualidade de vida nas favelas, mas quando se percebe que é preciso aumentar essa capacidade e que a internet é cara e de baixa qualidade, e que o morador continua sem saúde nem educação, é preciso avançar nas políticas públicas, diz o professor.

    ​“Por se colocar frontalmente em oposição a esses governos reacionários – principalmente com o problema da forma com que os governos tratam a violência e a criminalização da pobreza”, afirma Pitillo, “a FAFERJ foi sendo relegada a segundo plano, e hoje os processos de inclusão digital na favela são tocados por empresas privadas, sem nenhum contraponto político e social – é apenas mais uma interface comercial, mais uma versão do capitalismo”.

    Em 2011, a Organização das Nações Unidas (ONU) decretou que o acesso à internet deve ser enxergado como um direito humano, na medida em que “permite que indivíduos busquem, encontrem e compartilhem informações de todos os tipos, de uma forma instantânea e barata”, além de “impulsionar o desenvolvimento econômico, social e político das nações, contribuindo para o progresso da humanidade como um todo”.

    Mais:

    12 momentos que abalaram a Internet brasileira em 2015
    Da defesa cibernética à defesa aeroespacial: está pronta a segurança do Rio 2016
    Tags:
    baile de favela, comunidades, inclusão digital, pobres, favela, tecnologia, Internet, turismo, FAFERJ, João Cláudio Pitillo, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar