11:39 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva
    © AP Photo / Andre Penner

    PT e PSDB analisam pedido de prisão preventiva de Lula

    Brasil
    URL curta
    8075
    Nos siga no

    O pedido de prisão preventiva do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na quinta-feira, 10, por promotores paulistas, suscitou diferentes reações na sociedade, nos meios jurídicos e entre parlamentares. Um deputado do PT diz que o pedido “é risível”, e outro, do PSDB, recomenda cautela.

    Os Promotores Cássio Conserino, José Carlos Blat e Fernando Araújo, do Ministério Público Estadual de São Paulo, pediram a prisão preventiva do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de outras seis pessoas no processo em que investigam o ex-Presidente por supostas ocultação de patrimônio, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. O processo é referente à propriedade de uma cobertura tríplex no Guarujá, Estado de São Paulo. Os promotores acusam Lula de ser o verdadeiro proprietário do imóvel, o que é rechaçado pelo ex-presidente.

    A denúncia contra Lula está sendo apreciada pela Juíza Maria Priscilla Veiga Oliveira, da 4.ª Vara Criminal do Fórum da Barra Funda, em São Paulo.

    Os promotores alegam que a prisão preventiva de Lula é imprescindível para a instrução criminal e argumentam que, como ex-presidente, ele teria amplo poder de mobilização.

    Segundo o Deputado Federal Wadih Damous Filho (PT-RJ), um dos parlamentares mais próximos ao ex-presidente, o pedido de prisão preventiva de Lula é risível, não havendo nenhum fundamento jurídico que justifique a medida. Ele encara o pedido como uma piada de mau gosto. “Aquela peça subscrita pelos três procuradores, nenhum estudante de primeiro ano da Faculdade de Direito a assinaria. Só se presta para piada, não presta para mais nada.”

    “É um amontoado de mais de 150 páginas, é um amontoado de bobagens, de besteiras, não tem qualquer tecnicalidade, não há qualquer rigor na forma jurídica”, acusa o parlamentar petista. “Um pedido mal feito, não há fatos bem definidos. Aquilo é ridículo, não se presta para nada. Até os conservadores, até a grande imprensa, até os setores fascistas da sociedade estão criticando aquilo que só tem servido para piada nas redes sociais.”

    Sobre a posição da juíza que recebeu a denúncia – se deverá ou não deferir o pedido –, o Deputado Wadih Damous afirma que “ela não pode deferir”.

    Já o Deputado Marcus Pestana (PSDB-MG) diz que, embora tenha de adotar uma posição de cautela, espera por uma completa apuração de responsabilidades, “garantindo-se a Lula a mais ampla defesa e a preservação de todos os seus direitos”.

    “A democracia exige o funcionamento pleno de instituições republicanas, que pressupõem alguns valores e algumas diretrizes fundamentais”, diz o parlamentar mineiro. “A primeira é de que todos são iguais perante a lei. Não importa o peso político ou econômico da pessoa na sociedade, todos devem responder perante a lei de forma igualitária. A segunda é o princípio da ampla defesa e da presunção de inocência – isto também é importante.”

    O Deputado Marcus Pestana pondera: “Vamos aguardar o pronunciamento do Judiciário, da juíza que está encarregada do caso. Ela vai analisar e, cumprindo o seu papel institucional, vai julgar. Nós estamos na expectativa do pronunciamento do Judiciário. O fundamental é que seja dado amplo espaço de defesa para todos os réus, assim deve ser com todos os brasileiros mas também que não haja impunidade e que aqueles que se desviaram do bom caminho da lei paguem pelos seus erros e sejam punidos.”

    Mais:

    ‘Pula Molusco!’: game ajuda Lula a fugir do inquérito
    Dilma visita Lula em São Bernardo
    Dilma critica ação contra Lula em discurso no Palácio do Planalto
    ‘Não devo e não temo’, diz Lula em pronunciamento
    Lula depõe na Lava-Jato, PF explica e PT reage
    Tags:
    PSDB, PT, Marcus Pestana, Maria Priscilla Veiga Oliveira, Cássio Conserino, Fernando Araújo, José Carlos Blat, Wadih Damous Filho, Luiz Inácio Lula da Silva, Guarujá, São Paulo, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar