01:42 23 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    491
    Nos siga no

    O presidente da Bulgária, Rosen Plevneliev, está no Brasil em sua primeira visita oficial ao país. Como parte da agenda bilateral, Plevneliev se reuniu em Brasília nesta segunda-feira, 1, com a Presidenta Dilma Rousseff, para a assinatura de dois acordos de cooperação.

    Um dos acordos é sobre a regulamentação da Previdência Social entre os países, e o outro na área da educação, para facilitar a realização de eventos científicos, intercâmbio de pesquisadores e financiamentos de projetos conjuntos de pesquisa entre os dois países.

    Ainda na conversa entre os dois chefes de Estado, no interesse regional, o apoio da Bulgária para o avanço das negociações sobre o acordo de livre comércio entre o Mercosul e a União Europeia.

    “A visita do Presidente Plevneliev se enquadra em contexto de maior aproximação regional, no marco das negociações do acordo de associação Mercosul-União Europeia”, disse Dilma após o encontro. “Juntamente com seus sócios do Mercosul, o Brasil tem todo o interesse em avançar na troca de ofertas e na negociação de um acordo que seja benéfico para o nosso bloco e para a União Europeia. Estamos seguros de poder contar com o apoio e o engajamento da Bulgária nessa direção.”

    Segundo Dilma, também foi discutida a ampliação comercial e de investimentos entre os dois países, que deverá ser reforçada durante os eventos empresariais que serão realizados até quarta-feira, 3, para a comitiva búlgara, na Confederação Nacional da Indústria, em Brasília, e na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo.

    A Presidenta Dilma falou ainda sobre a preocupação em relação à crise de refugiados que atinge a Europa, a Ásia Central, o Norte da África e o Oriente Médio, cobrando da comunidade internacional providências em conjunto para o problema, em que, segundo Dilma, a Bulgária é peça chave para resolver a situação.

    “Concordamos que a crise dos refugiados exige soluções coletivas por parte da comunidade internacional. Por sua posição geográfica, a Bulgária é ator fundamental na resolução desse tema, que afeta a todos os países direta e indiretamente, e é reconhecida sua posição equilibrada nessa matéria. Convergimos também sobre a necessidade de que se encontre solução política e abrangente para o conflito na Síria.”

    A presidente disse que diante do atual quadro de insegurança internacional também conversou com o presidente búlgaro sobre a necessidade de se reformar o Conselho de Segurança da ONU, para que suas ações sejam mais eficazes e mais representativas.

    Em seu discurso, Plevneliev afirmou que a Bulgária pode se tornar uma porta de entrada do Brasil para a União Europeia, afirmando para sua colega brasileira que o país fará de tudo para que o acordo seja assinado o mais rápido possível.

    “A Bulgária pode funcionar como uma porta de entrada do Brasil para a União Europeia, e vice-versa”, garantiu o Presidente Plevneliev. “O Brasil pode nos abrir as portas da América do Sul e América Latina. A Bulgária trabalhará para a finalização das negociações do acordo de livre comércio Mercosul-União Europeia. Da nossa parte faremos todo o possível para que isso se faça o mais rápido possível.”

    Ao final de seu pronunciamento, Dilma Rousseff agradeceu a visita da comitiva da Bulgária e lembrou ser metade búlgara, por parte de seu pai, Pedro Rousseff, que deixou aquele país na década de 1920.

    Em 2012, o comércio bilateral Brasil-Bulgária registrou o maior volume de sua série histórica, atingindo US$ 438,9 milhões, o que significa um aumento de 55% em relação a 2011. O resultado positivo ocorreu principalmente por conta da aquisição de jatos da Embraer para uma companhia aérea búlgara. No mesmo ano, o Brasil ajudou financeiramente e doou mantimentos para apoiar a população búlgara, que foi atingida por fortes enchentes no sul do país.

    Mais:

    Consultor do Senado: Mercosul deve muito ao Brasil
    Tags:
    investimentos, pesquisa e desenvolvimento, educação, Previdência Social, livre comércio, ONU, Mercosul, União Europeia, Rosen Plevneliev, Dilma Rousseff, América do Sul, Oriente Médio, Norte da África, Ásia Central, Europa, Bulgária, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar