08:07 21 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Campanha de combate à dengue

    Especialista alerta sobre o perigo do vírus zika no Carnaval

    © AP Photo/ CHRISTOPHE SIMON
    Brasil
    URL curta
    Zika Vírus: Alerta global (77)
    126711

    O Governo Federal decidiu intensificar o combate ao vírus zika, transmitido pelo mosquito Aedes Aegypti, o mesmo inseto que transmite dengue e febre chikungunya.

    Na quinta-feira, 21, a Presidenta Dilma Rousseff reuniu os ministros da Saúde, Integração Nacional, Justiça, Casa Civil e Defesa e o comandante do Exército para debater uma estratégia integrada de combate ao mosquito e, especificamente, ao vírus zika. A contaminação de uma gestante por este vírus pode levar sua criança a apresentar o quadro de microcefalia.

    Estudos médicos definem a microcefalia como “uma condição neurológica rara em que a cabeça e o cérebro da criança são significativamente menores do que as de outras crianças de mesma idade e sexo”. A anomalia normalmente é diagnosticada no início da vida e é resultado do fato de o cérebro não crescer o suficiente durante a gestação ou após o nascimento. Crianças portadoras de microcefalia têm problemas de desenvolvimento, e esta condição não tem cura, o que diminui em muito a sua perspectiva de vida.

    Em 28 de dezembro de 2015, a Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária concedeu o registro da primeira vacina contra a dengue no Brasil – a Dengvaxia, do laboratório francês Sanofi Pasteur. Mesmo liberada pela Anvisa para comercialização, a vacina ainda precisa ser aprovada pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (Cemed) para que seja definido o valor de cada dose.

    Segundo o fabricante e a própria Agência, a Dengvaxia é indicada para pessoas entre 9 e 45 anos e protege contra os quatro tipos do vírus da dengue. Mas ela não tem eficácia alguma contra as duas outras doenças transmitidas pelo mosquito Aedes Aegypti, a febre chikungunya e o vírus zika. Por isso, instituições como a Fundação Oswaldo Cruz e a Unicamp – Universidade de Campinas estão realizando diversos estudos no sentido de descobrir um medicamento eficaz contra aquelas doenças.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o médico Cláudio Crispi, professor da Faculdade de Medicina da Universidade Suprema, de Juiz de Fora, MG, chamou a atenção para esses problemas, dizendo que há várias providências a serem tomadas contra o mosquito Aedes Aegypti. Estas ações, segundo o médico, vão desde as iniciativas integradas dos Governos Federal, estaduais e municipais, passando também pelo necessário nível de conscientização da população.

    “Tudo ainda está precisando de muito esclarecimento, muito entendimento”, diz o Dr. Crispi. “As pesquisas correm, as pessoas estão investindo muito na avaliação, no estudo, e eu acredito que não só a vacina mas também o tratamento em breve vão estar presentes. Breve, mas não com a velocidade que nós gostaríamos, é claro.”

    Sobre a eficácia da vacina, o Dr. Cláudio Crispi pondera:

    “Nós não temos estudos para dizer isso [se a vacina é eficaz]. Temos esperança. É necessário haver mais estudos, e enquanto isso não acontece parece que estamos tentando andar um pouco para a frente, tentando criar padrões de acompanhamento. Estamos falando de milhares de pessoas. Tudo, para dar certo, tem que ir de cima para baixo, ou seja, é preciso que haja vontade política, que haja exemplo. Se o Governo fizer a parte dele, de saneamento, de limpeza urbana, já vamos estar fazendo muita coisa. É fundamental que haja o envolvimento governamental no combate ao mosquito.”

    Finalmente, o Dr. Cláudio Crispi faz um alerta:

    “A preocupação agora é com o Carnaval. Vem muita gente para o Brasil, muita gente é picada pelo mosquito, e o Aedes Egypti existe em vários outros países – mas não os vírus – e as pessoas vão se contaminar.”

    Tema:
    Zika Vírus: Alerta global (77)

    Mais:

    Governo vai oferecer em fevereiro teste único de dengue, zika e chikungunya
    Exército vai ajudar na guerra ao mosquito da dengue e do zika
    Tags:
    Aedes Aegypti, microcefalia, carnaval, Chikungunya, zika, dengue, mosquito, justiça, integração, saúde, Fundação Osvaldo Cruz, Unicamp, Anvisa, Dilma Rousseff, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik