14:56 21 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados do Brasil

    Eduardo Cunha chama argumentos da PGR de ridículos

    © AFP 2018/ YASUYOSHI CHIBA
    Brasil
    URL curta
    716

    O presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), voltou a criticar os argumentos utilizados pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, para pedir o afastamento dele do cargo de deputado pelo tempo de duração dos processos de investigação contra ele, segundo publicou a Agência Brasil.

    “Os pontos colocados pela Procuradoria-Geral da República [para pedir o afastamento] são absolutamente ridículos”, disse Cunha.

    Segundo o presidente da Câmara, o procurador-geral da República “utilizou da sua prerrogativa para disfarçar a mídia de hoje, em função do andamento do processo do impeachment. Ele [Janot] se transformou muito mais em um advogado do Palácio [Planalto]. Acho que ele deturpou as suas funções”.

    De acordo com Cunha, dentre os 11 pontos relacionados pela Procuradoria-Geral da República para pedir o seu afastamento estão, por exemplo, “um projeto de lei do deputado Heráclito Fortes (PSB-PI), que muda a lei da deleção, como sendo um aliado meu que estaria querendo prejudicar a mudança de um delator; e a suposta entrevista do ex-relator [Fausto Pinato (PRB-SP)] dizendo que supostamente teria uma oferta de propina no aeroporto sem saber para que lado era como sendo um dos fatores”.

    Mais:

    Janot x Cunha: procurador-geral da República pede afastamento do presidente da Câmara
    Conselho de Ética enfim entrega notificação a Eduardo Cunha
    Deputados de 8 partidos vão ao STF por saída de Eduardo Cunha da Presidência da Câmara
    Operação da PF na residência do Cunha mira 'provas' de uso do cargo em benefício pessoal
    Tags:
    ridículos, argumentos, afastamento, impeachment, Procuradoria Geral da República, Câmara dos Deputados, PGR, Fausto Pinato, Heráclito Fortes, Rodrigo Janot, Eduardo Cunha, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik