06:12 18 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente da Venezuela Nicolás Maduro com a presidente do Brasil Dilma Rousseff

    Dilma se opõe ao uso da cláusula democrática do Mercosul contra Venezuela

    © AFP 2018/ EVARISTO SA
    Brasil
    URL curta
    21154

    A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (30), que não vai usar a chamada cláusula democrática para pedir a suspensão da Venezuela do Mercosul, como tem defendido o presidente eleito da Argentina, Mauricio Macri. Ela disse que o Mercosul sempre contou com a cláusula, e descartou seu uso contra aquele país.

    Segundo Dilma, para se fazer uso deste recurso é preciso, antes, haver um “fato determinado”, que não tenha por justificativa apenas bases hipotéticas.

    “A cláusula democrática é integrante do Mercosul, mas para usá-la não pode ser com hipóteses. Tem de qualificar o fato. Sempre o Mercosul contou com ela. Foi ela que permitiu que o Mercosul não concordasse com a saída do presidente [Fernando] Lugo, do Paraguai. Precisa de fato determinado. Não é genérica”, disse, em entrevista coletiva a jornalistas, após participar da conferência do clima, em Paris.

    A cláusula democrática, que Macri promete invocar, prevê desde a aplicação de sanções comerciais até a suspensão do país, acusado de romper a ordem democrática, mas precisa de um consenso para ser aplicada.

    A primeira viagem oficial de Macri como presidente eleito da Argentina será para o Brasil. A intenção do argentino foi manifestada durante um telefonema com a presidenta Dilma Rousseff, informou Agência Brasil.

    Mais:

    Dilma Rousseff deve se reunir com presidente eleito da Argentina antes da posse
    Tags:
    Mercosul, Fernando Lugo, Mauricio Macri, Dilma Rousseff, Argentina, Venezuela, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik