01:29 19 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Palácio do Itamaraty

    Brasil se manifesta sobre resolução do Conselho de Segurança da ONU sobre Estado Islâmico

    Ana de Oliveira/AIG-MRE
    Brasil
    URL curta
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    19132
    Nos siga no

    O Ministério das Relações Exteriores do Brasil divulgou um comunicado na noite de quarta-feira (24) saudando a aprovação por unanimidade, na sexta-feira (20), de uma resolução do Conselho de Segurança da ONU chamando a união de todos os membros das Nações Unidas no combate ao Estado Islâmico.

    “O governo brasileiro manifesta sua satisfação diante da aprovação unânime, pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas, da Resolução n° 2249, que conclama Estados Membros das Nações Unidas a tomarem todas as medidas necessárias, em conformidade com o Direito Internacional, para combater o autodenominado Estado Islâmico, que constitui ameaça sem precedentes à paz e à segurança internacional”, diz o comunicado.

    A nota frisa que o objetivo do documento é eliminar o controle do grupo jihadista sobre territórios da Síria e do Iraque, “assim como redobrar e coordenar esforços no sentido de prevenir e suprimir atos terroristas cometidos por indivíduos e entidades ligadas a ele e a outras organizações designadas como terroristas pelas Nações Unidas”.

    Já nesta quarta-feira (25), o Conselho de Segurança da ONU condenou o atentado que deixou 12 mortos na Tunísia na terça-feira. O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, afirmou que o organismo continuará ao lado do povo tunisiano na luta contra o terrorismo e na consolidação da democracia.

    Tema:
    Estado Islâmico: pior ameaça mundial (299)
    Tags:
    união, combate, terrorismo, manifestação, comunicado, atentado, condenação, direito internacional, Resolução n° 2249, Conselho de Segurança da ONU, Nações Unidas, ONU, Estado Islâmico, Ministério das Relações Exteriores, Itamaraty, Ban Ki-moon, Iraque, Síria, Tunísia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar