04:24 17 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Nelson Barbosa

    Governo não tem plano B se pacote de ajuste fiscal não for aprovado no Congresso

    José Cruz/ Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    231

    Após reunião com parlamentares da Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização do Senado, o Ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, falou com a imprensa e deixou claro que o governo não tem plano B, caso as medidas apresentadas nesta semana no pacote de ajuste fiscal não sejam aprovadas no Congresso Nacional.

    Nelson Barbosa, e o Ministro da Fazenda, Joaquim Levy, compareceram à audiência pública da Comissão, em Brasília, nesta quinta-feira (17), para detalhar o pacote que prevê corte de R$ 26 bilhões na programação de despesas de 2016 e crescimento da arrecadação, através de impostos, de R$ 40,2 bilhões.

    Segundo Barbosa, o governo está aberto para negociar as medidas do pacote de ajuste fiscal, mas só existe um plano A, e o empenho da equipe econômica agora é para que elas sejam aprovadas.

    “O governo tem o plano A, e esse plano A nós estamos empenhados em aprová-lo. São várias medidas. Lá, da despesa, são nove medidas muito técnicas, principalmente medidas que envolvem aplicação de recursos e emendas parlamentares. Então, esclarecemos qual é a nossa proposta, que nós vamos reduzir a nossa despesa discricionária, e vamos fazer uma proposta para o Congresso, para que essa redução possa ser compensada totalmente ou parcialmente, para o bem das emendas parlamentares”.

    Nelson Barbosa e Joaquim Levy explicaram, por cerca de cinco horas, as propostas para mais de 120 deputados e senadores, e ouviram também muitas críticas, de acordo com a presidente da Comissão, a senadora Rose de Freitas (PMDB-ES).

    “Todo mundo batia na mesma tecla, que as medidas adotadas até agora, com relação aos cortes principalmente, não eram suficientes para o enfrentamento da crise”.

    O Ministro da Fazenda disse à imprensa que as propostas anunciadas pelo governo não vão sofrer alterações antes da análise do Congresso. As medidas vão ser encaminhadas para o parlamento na próxima semana.

    “Não há intenção de modificar as propostas que vão ser enviadas. Eu acho que a gente anunciou e devemos enviar o que foi anunciado, acho que está bem claro. Evidentemente, depois há o processo legislativo de discussão, etc. Mas isso seria uma segunda etapa.

    Joaquim Levy voltou a defender a volta da CPMF como a melhor ação, pois seria o tributo com menor impacto na inflação e na produtividade, além de produzir os recursos necessários para reduzir o deficit na Previdência.

    “Nós temos confiança de que a CPMF, principalmente com a alíquota que foi proposta, é a medida adequada para esse momento. É a que tem menor impacto no setor produtivo, é a que tem menor impacto inflacionário, é a que proporciona os recursos necessários para amortecer o aumento do deficit da Previdência. O que o governo está apresentando é uma combinação de políticas para trazer o Brasil para a retomada do crescimento, cortando os gastos do governo. A presidenta já anunciou que vai reduzir o número de ministérios. Nós vamos discutir a questão da Previdência para olhar a longo prazo, e outras medidas para facilitar investimento. Tudo que faça o Brasil poder crescer mais rápido e melhor”.

    Para o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), o ajuste é improvisado e o governo não passa credibilidade.

    “A sensação que fica é a de que o governo cometeu erros muito grandes, trapalhadas, e agora está cometendo outros tipos de trapalhadas. Não passa credibilidade. Se o Brasil precisa mesmo disso, o Brasil vai ter que fazer um sacrifício, mas quem garante que o dinheiro vai ser usado para o que falam?”.

    Já a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) disse que os esclarecimentos dos ministros foram satisfatórios, e que o Congresso tem sim responsabilidade de colaborar com o governo, seja aprovando as medidas ou sugerindo outras formas de arrecadação.  

    “Quando chega aqui o orçamento, todo mundo quer aumentar a despesa, todo mundo quer colocar um pouco mais de despesa no orçamento para beneficiar seu município, seu estado. É legítimo, mas isso tem impacto. Não é correto o Congresso Nacional dizer que não tem responsabilidade efetiva”.

    Gleisi Hoffmann anunciou ainda que vai sugerir aos parlamentares que também prorroguem o reajuste dos seus salários até agosto de 2016, assim como deve acontecer com todos os servidores públicos federais.

    O Presidente Nacional da OAB, Ordem dos Advogados do Brasil, Marcus Vinícius Furtado Coelho, se manifestou nesta quinta-feira (17) sobre a crise econômica no país, durante encontro da entidade no Piauí, e criticou o ajuste fiscal, dizendo que a Presidenta Dilma Rousseff, antes de pensar em aumento de impostos, deveria pedir desculpas aos brasileiros, cortar gastos e assim retomar a governabilidade.

    “A OAB tem uma posição firme no sentido de instar a presidenta da República a assumir o governo de diálogo com a população brasileira, que parte de um pedido de desculpas à nação pelas propostas que foram apresentadas na campanha eleitoral, pelo quadro econômico que foi apresentado no passado e que não se visualiza, que se tornou inexistente. A partir desse choque de sinceridade, de gesto de humildade e de um chamamento para um diálogo, retomar a governabilidade em nosso país. Nesse sentido, entendemos que é inadmissível essa política de aumento de impostos, de aumento da carga tributária. Somos contrários à criação da CPMF. Não podemos colocar nos ombros, nas costas da população brasileira, o ônus por esse grave problema fiscal de nosso país. O governo tem que fazer a sua parte, cortar os ministérios e retomar a sua governabilidade”.

    De acordo com o líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral (PT-MS), a Presidenta Dilma vai fazer um trabalho de articulação política no Congresso Nacional, conversando diretamente com aliados para garantir uma base firme e confiável nas votações no Congresso Nacional e convencer a resistência existente no momento, inclusive de parlamentares do próprio Partido dos Trabalhadores.

    Tags:
    CPMF, PMDB, PDT, OAB, Congresso Nacional, PT, Cristovam Buarque, Delcídio do Amaral, Marcus Vinícius Furtado Coelho, Rose de Freitas, Gleisi Hoffman, Dilma Rousseff, Joaquim Levy, Nelson Barbosa, Piauí, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar