20:46 15 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Câmara dos Deputados

    Parlamentares da base e de oposição discutem sobre novo pacote de medidas do Governo

    Estadão Conteúdo / Dida Sampaio
    Brasil
    URL curta
    0 01
    Nos siga no

    O novo pacote econômico apresentado ontem pelo governo federal gerou polêmica e muita discussão no Congresso Nacional. Aliados e parlamentares da oposição divergem sobre a aprovação do corte de gastos e aumento dos impostos,e, especialmente, sobre a recriação da CPMF, vinculada à Previdência Social, com alíquota de 0,20%.

    De acordo com cálculos do Governo, a CPMF vai ser responsável por metade do ajuste nas contas públicas para o ano de 2016, que é de R$ 64,9 bilhões.

    Entre as outras medidas anunciadas pelo Executivo estão: adiamento do reajuste de servidores públicos, suspensão de concursos, fim do ‘abono permanência’ e redução do gasto com custeio administrativo.

    O presidente do Senado, Renan Calheiros, afirmou que as medidas anunciadas pelo governo possuem cortes significativos, mas que serão aperfeiçoadas. Calheiros destacou, no entanto, que primeiro o Executivo deve cumprir os cortes na máquina pública e fazer a economia de gastos prometidos.

    Segundo o presidente do Senado, o governo, sem dúvida alguma, demonstra que está querendo vencer o imobilismo, que está recuperando sua capacidade de iniciativa, e isso é muito bom. Mas quem vai dar a palavra final será o Congresso Nacional.

    “Fazer alguma coisa é sempre melhor do que não fazer nada. Nós precisamos saber, no entanto, se essa coisa que está sendo feita é a coisa certa, mas é isso que o Congresso Nacional vai dizer durante a tramitação da proposta”.

    O Deputado José Guimarães (PT/CE) acredita que as propostas apresentadas pelo governo são razoáveis, mas reconhece que a questão da CPMF deve encontrar dificuldades para ser aprovada no Congresso. O deputado, no entanto, ressaltou que é preciso dialogar, e disse que todos os líderes da base se mostram dispostos a isso.

    “Não são medidas amargas, são medidas razoáveis, consistentes, e que evidentemente precisam passar por um profundo diálogo com o Congresso, com a sociedade brasileira e com os nossos investidores”.

    Para o senador Cássio Cunha Lima (PSDB/PB), a proposta de aumentar a cobrança de impostos para a população brasileira não vai ser aprovada pelo Congresso.

    “A sociedade não aguenta mais pagar impostos. As pessoas estão muito sacrificadas no seu dia-a-dia. Nós não fazemos oposição ao Brasil, nós fazemos oposição ao governo. E vamos analisar as propostas com a seriedade necessária, melhorá-las no que for possível, e rejeitar aquilo que a sociedade não apoiar”.

    Mesmo fazendo parte da base do governo federal no Congresso, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) criticou o pacote. Segundo Lindbergh, os cortes que vão ser realizados não vão atingir setores de extrema importância para o país ou para a população. O parlamentar ainda afirmou que não se pode parar os investimentos no país.

    “Estou mais preocupado com os cortes, R$ 3,8 bilhões na saúde. Estamos cortando investimentos. A economia está desacelerando, estamos em recessão. Então cortar investimentos é criminoso, e estamos novamente penalizando os servidores públicos”.

    O Presidente da CUT – Central Única dos Trabalhadores, Vagner Freitas, também não aprovou as medidas anunciadas pelo Governo.

    “É um pacote recessivo. É um pacote que imputa a culpa da crise aos trabalhadores. Vai exatamente ao contrário das propostas que a CUT tem apresentado, tentando economizar, mas economizar sem investimento”.

    Dirigentes da base aliada no Congresso lançaram nesta terça-feira (15) um manifesto em defesa da Presidenta Dilma Rousseff, da democracia e contra o golpismo de “forças políticas radicais, que exibem baixo compromisso com os princípios democráticos”.  O documento seria uma reação ao movimento pró-impeachment, lançado na semana passada, e encabeçado por partidos da oposição e defendido por parlamentares que integram a coalização governista no Congresso.

    No manifesto, os líderes da base manifestaram “repúdio a toda forma de retrocesso democrático que tente deslegitimar e encerrar de forma prematura o mandato popular conquistado de forma limpa, em pleito democrático”.

    Nesta quinta-feira (17), os ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa, vão se reunir com os integrantes da Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional para detalhar as medidas de corte de despesas e aumento de tributos anunciadas pela equipe econômica.

    O encontro dos parlamentares com os ministros foi intermediado pela presidente do colegiado, senadora Rose de Freitas (PMDB-ES). De acordo com a senadora, a comissão não pode tomar decisões sobre as propostas da nova Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e do orçamento de 2016 enquanto não conhecer em profundidade as medidas anunciadas pelos dois ministros.

    Tags:
    CPMF, CUT, Senado Federal, Congresso Nacional, Rose de Freitas, Nelson Barbosa, Joaquim Levy, Dilma Rousseff, Vagner Freitas, Lindberg Farias, Cássio Cunha Lima, Renan Calheiros, José Guimarães, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar