05:21 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Joaquim Levy, ministro da Fazenda do Brasil

    Levy analisa como sinalizador de rumos o rebaixamento da nota do Brasil pela Moody’s

    Marcelo Camargo/ Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    0 11

    O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, comentou o rebaixamento da nota de crédito do Brasil dada pela agência de classificação de risco Moody´s. Para Levy, a decisão da Moody’s ocorreu de forma transparente e indica os caminhos pelos quais o Brasil deve seguir para melhorar a administração da dívida pública.

    “A declaração da Moody´s explica exatamente os pontos que ela achou relevante”, disse o ministro da Fazenda. “É uma declaração bastante detalhada, transparente, e que eu acho que dá a indicação das prioridades que a gente tem que ter em relação a manter a qualidade da dívida pública”.

    Apesar de ter reduzida a nota de crédito de Baa2 para Baa3, o Brasil permanece dentro do grupo dos países considerados como bons pagadores e ainda seguros para investir. Porém, com uma nota mais baixa, o Brasil fica a apenas um degrau de ser rebaixado para o grau especulativo, que representa os países com nível de crédito duvidoso.

    De acordo com a explicação da Moody’s, o rebaixamento da nota é causado pela performance econômica do país abaixo do esperado, o aumento dos gastos do Governo e a falta de consenso político sobre as reformas fiscais. Esses fatores, segundo a Moody´s, impedem que as autoridades alcancem superávits primários altos o suficiente para reverter a tendência de débito crescente neste ano e no próximo e desafiarão sua habilidade de conseguir fazê-lo mais tarde.

    Mais:

    Nelson Barbosa: Brasil não perde investimentos com reclassificação da Moody's
    Opinião: “Agências de classificação de riscos não podem funcionar como obituários”
    Moody's rebaixa nota do Brasil e dá perspectiva estável
    Tags:
    classificação de riscos, economia, Ministério da Fazenda, Moody's, Joaquim Levy, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar