06:10 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Sede do Fundo Monetário Internacional (FMI)

    Executivo do FMI acredita que Brasil não corre risco de perder grau de investimento

    © flickr.com/ International Monetary Fund
    Brasil
    URL curta
    0 28051

    Em palestra na Fundação Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro, o novo diretor-executivo pelo Brasil e mais 10 países no Fundo Monetário Internacional (FMI), economista Otaviano Canuto, disse “não acreditar que a crise política poderá prejudicar as contas públicas a ponto de levar à perda do grau de investimento do país”.

    Há alguns dias, a agência de classificação de riscos Standard & Poor’s rebaixou a perspectiva da economia do Brasil, o que, segundo alguns analistas políticos, colocou o país numa condição muito próxima à de assumir o risco de perder o grau de investimento.

    Nas palavras de Otávio Canuto, “os ratings das agências de classificação de riscos refletem a capacidade de um país cumprir o pagamento de suas dívidas e também da sua disposição de cumprir esses serviços. Não vejo, no atual momento do Brasil, esta disposição pelo não pagamento”.

    Para o também economista Roberto Fendt, diretor-executivo do Cebri – Centro Brasileiro de Relações Internacionais, há duas maneiras de ver esta questão:

    “Tomando as declarações do Dr. Otaviano Canuto ao pé da letra, ele está querendo dizer que, em primeiro lugar, aconteceu a deterioração das contas públicas.”

    Fendt analisa que, junto com a situação dos escândalos de corrupção, os dois fatores estão provocando a crise política. Ou então, ao contrário: a corrupção e, depois, a deterioração das contas públicas estão causando a crise política no país. “Eu gostaria de conhecer mais as razões que levam o Dr. Otaviano Canuto a ser tão otimista. Entretanto, eu gostaria de conhecer melhor o pensamento para saber as razões de ele estar tão otimista.”

    Ainda na palestra da Fundação Getúlio Vargas, que integrou a programação do seminário “A Agenda de Crescimento no Brasil”, Otaviano Canuto defendeu a necessidade de um pacto entre os partidos e instituições. Nesse particular, o economista elogiou as recentes iniciativas do Vice-Presidente Michel Temer, que tem defendido esta tese e sugerido um amplo entendimento nacional.

    Mais:

    FMI avalia positivamente política do Kremlin para estabilizar economia da Rússia
    Dilma busca investimentos, mas bancos estrangeiros prejudicam economia brasileira
    S&P afirma rating BBB- do BNDES, com perspectiva negativa
    Especialista em análise de riscos diz que Brasil não deve se preocupar com nota da S&P
    Tags:
    grau de investimento, economia, Cebri, Standard & Poor's, FGV, Michel Temer, Roberto Fendt, Otaviano Canuto, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik