11:14 18 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Bogotá, Colômbia

    Colômbia pode virar hub de exportações do Brasil na América Latina

    © flickr.com/ CucombreLibre
    Brasil
    URL curta
    0 0 91

    O ministro de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil, Armando Monteiro, disse nesta quinta-feira (23), em entrevista ao jornal La República, que a Colômbia é um mercado prioritário para o país e pode servir como uma plataforma para as exportações brasileiras de produtos e serviços tecnológicos na América Latina.

    “A tecnologia continua a ser um fator fundamental. De fato, existem muitas empresas brasileiras que já estão estabelecidas aqui [na Colômbia], não só para abastecer o mercado local, mas para chegar a outros países, a mercados terceiros. Eu considero que a Colômbia pode ser uma plataforma para a exportação de tecnologias da informação e da comunicação, software e outros serviços relacionados ao resto da América Latina”, disse o ministro.

    Monteiro está em Bogotá para a quinta edição da feira Brasil Tecnológico, que reúne 50 empresas brasileiras em seminários técnicos e rodadas de negociações com empresários colombianos. Segundo ele, “o contexto econômico global gerou contrações em todos os mercados, mas as relações bilaterais com a Colômbia estão em uma dinâmica diferente”, apontando para uma recuperação do fluxo comercial a partir do segundo semestre, especialmente no setor automotivo.

    “A Colômbia tem uma disposição muito ampla de fazer negociações com os países da Aliança do Pacífico, enquanto o Brasil [tem] com o Mercosul, quando na verdade ambos os países têm mercados totalmente complementares. Com tudo isso, o maior desafio é abrir canais alternativos para esses tratados e traduzir de maneira efetiva os interesses que identificamos no mercado para transformá-los em ações concretas”, observou o ministro.

    Monteiro também lembrou que o BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) está capacitado, com seu recém-criado Banco de Desenvolvimento, a investir em projetos de infraestrutura em outros países, sugerindo assim que a Colômbia pode se beneficiar em breve com empréstimos da nova instituição financeira, especialmente por conta de seus laços com o Brasil.

    No início do mês, durante a cúpula dos BRICS em Ufá (Rússia), o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento e Sustentabilidade (BNDES), Luciano Coutinho, em entrevista exclusiva à Sputnik, também comentou que os países membros do BRICS têm um papel decisivo na aceleração dos investimentos internacionais em suas respectivas áreas de influência regional.

    Neste sentido, o potencial de crescimento das relações econômicas entre Brasil e Colômbia, no âmbito da área de influência brasileira na América do Sul, pode ganhar impulso ainda maior com a atuação do novo Banco de Desenvolvimento dos BRICS, principalmente no que diz respeito a investimentos de infraestrutura, segundo declarou o presidente do BNDES.

    Mais:

    Banco do BRICS vai atender parte da demanda global de US$ 1 trilhão para infraestrutura
    Sede do Banco dos BRICS é inaugurada em Xangai
    Embaixador brasileiro: Cúpula do BRICS solidificou relações comerciais Brasil-Rússia
    Especialistas da ONU acompanharão negociações de paz entre a Colômbia e as Farc
    Líder da Guiana apela aos EUA em disputa territorial com Venezuela
    Tags:
    comércio exterior, exportações, infraestrutura, investimentos, comunicações, tecnologia da informação, Brasil Tecnológico 2015, banco de desenvolvimento, Mercosul, Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, BNDES, BRICS, Armando Monteiro, Luciano Coutinho, América Latina, América do Sul, Brasil, Bogotá, Colômbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik