07:22 18 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Two Mistral-class helicopter carriers Sevastopol (L) and Vladivostok are seen at the STX Les Chantiers de l'Atlantique shipyard site in Saint-Nazaire, western France, May 21, 2015.

    Marinha do Brasil desmente revista americana e nega interesse pelos navios Mistral

    © REUTERS/ Stephane Mahe
    Brasil
    URL curta
    43714366

    A Marinha brasileira refutou as especulações feitas por uma revista americana, de que o Brasil poderia comprar os navios da classe Mistral construídos pelos franceses e não entregues à Rússia. Nota oficial diz não haver qualquer estudo em andamento sobre o assunto.

    O suposto interesse brasileiro pelos porta-helicópteros não entregues à Marinha russa foi divulgado pela publicação “The National Interest” na semana passada. Segundo a revista, a venda ao Brasil seria a melhor solução para o problema criado em relação ao contrato de US$ 1,3 bilhão, já que, impedida pela política de sanções do Ocidente contra a Rússia, a França ficou sem poder entregar ao comprador os navios feitos em seus estaleiros.

    "Os Mistrais podem aumentar a influência do Brasil na região, (…) e poderiam tornar-se os navios de guerra de maior impacto na marinha da América do Sul desde os primeiros dias do século XX”, especula a “National Interest”. “Os dois navios [da classe Mistral] poderiam até mesmo operar ao longo do Amazonas, que é navegável por navios de grande porte", acrescenta.

    As autoridades navais brasileiras, porém, em comunicado oficial exclusivo para a Sputnik Brasil, esclarecem que “no âmbito da Marinha do Brasil não há qualquer estudo em andamento para aquisição de navios de guerra da classe ‘Mistral’”.

    Mais:

    Empresa se oferece para desenvolver sistemas para navio russo que substituirá o Mistral
    Rússia e França preparam novo acordo sobre navios Mistral
    Rússia projeta navio anfíbio que substituirá os Mistral
    Tags:
    Mistral, Marinha do Brasil, Rússia, França, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik