00:51 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Real brasileiro e dólar norte-americano

    CADE: Investigação sobre manipulação do câmbio pode expor mais bancos

    © AFP 2017/ VANDERLEI ALMEIDA
    Brasil
    URL curta
    31175161

    A investigação no Brasil sobre um suposto cartel de manipulação das taxas de câmbio poderá envolver outros bancos além dos já citados no processo aberto no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), segundo informou a agência Reuters, citando o presidente do órgão antitruste, Vinicius de Carvalho, na quarta-feira (15).

    "Quando você vai fazer os TCCs, se por ventura eles aparecerem, essas empresas têm que em alguma medida colaborar e pode acontecer que numa dessas ela traga um novo agente que não estava no acordo de leniência", disse Carvalho, referindo-se a possíveis Termos de Compromisso de Cessação de Condutas (TCCs) a serem firmados.

    Segundo ele, entretanto, é improvável que bancos brasileiros sejam incluídos no caso. "Não sei se esse é o caso (de haver bancos brasileiros). Até onde sei, não há citação de banco brasileiro em nenhuma outra leniência que foi feita (no exterior sobre manipulação de câmbio)", afirmou.

    De acordo com a legislação brasileira, apenas um dos suspeitos em investigações sobre formação de cartel pode assinar um acordo de leniência, garantindo assim a imunidade criminal. Carvalho explicou ainda que os demais acusados que desejem colaborar com as autoridades podem fazer TCCs, embora o mecanismo não assegure a imunidade criminal. 

    "Quem vem fazer um TCC acaba tendo também de ver se consegue fazer uma delação premiada no Ministério Público", explicou.

    No início do mês, o CADE anunciou que iria investigar 15 bancos estrangeiros e 30 indivíduos por envolvimento na formação de um suposto cartel de manipulação cambial envolvendo o real e outras moedas estrangeiras. 

    Segundo observa a Reuters, o processo do órgão antitruste brasileiro ocorre em meio a investigações semelhantes nos EUA e na Europa, onde grandes instituições financeiras estão sendo acusadas de manipular o mercado global de divisas, inclusive o real. De acordo com Carvalho, o CADE está colaborando com autoridades internacionais que apuram o mesmo caso.

    Há alguns meses, um acordo de leniência foi alcançado entre a superintendência-geral do CADE e o Ministério Público Federal. O órgão antitruste não revela qual banco deu origem à investigação, que ainda está em estágio inicial e cujo objetivo é averiguar a suposta manipulação de indicadores de referência do mercado de câmbio. Esses indicadores são usados como parâmetro em negócios entre empresas multinacionais, instituições financeiras e investidores que avaliam contratos e ativos mundialmente. 

    Nos EUA, seis bancos concordaram no fim de maio em pagar US$ 5,8 bilhões para acabar com as acusações de manipulação cambial. O processo durou mais de cinco anos e conseguiu a admissão de culpa por parte de cinco bancos, todos eles alvo da investigação no Brasil.

    As instituições investigadas pelo CADE são: Barclays, Citigroup, Credit Suisse, Deutsche Bank, HSBC, JPMorgan, Bank of America Merrill Lynch, Morgan Stanley e UBS. Outros bancos envolvidos são Banco Standard de Investimentos, Banco Tokyo-Mitsubishi UFJ, Nomura, Royal Bank of Canada, Royal Bank of Scotland e Standard Chartered.

    Mais:

    Ministros do G20 em Istambul condenaram a manipulação cambial
    Economistas propõem nova moeda que poderá derrubar o dólar
    Argentina e Rússia podem recusar-se ao uso do dólar em comércio mútuo
    Efeitos do tráfico: 90% das cédulas de real em circulação no Rio têm traços de cocaína
    Bancos centrais dos BRICS discutem cooperação nos sistemas de pagamento
    Bancos Centrais latino-americanos defendem moedas nacionais
    Tags:
    investigação, divisas, moeda, Dólar, real, manipulação cambial, taxas de câmbio, Câmbio, antitruste, truste, cartel, Standard Chartered, Royal Bank of Scotland (RBS), Royal Bank of Canada, Nomura, Banco Tokyo-Mitsubishi UFJ, Banco Standard de Investimentos, UBS, Morgan Stanley, Merrill Lynch, Bank of America, JP Morgan, HSBC, Deutsche Bank, Credit Suisse, Citigroup, Barclays, Ministério Público Federal, Conselho Administrativo de Defesa Econômica, CADE, Estados Unidos, EUA, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik