14:02 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Lisboa, Portugal

    Cabo submarino de fibra ótica vai ligar Brasil e Europa com segurança e qualidade

    © AFP 2019 / MIGUEL RIOPA
    Brasil
    URL curta
    2231
    Nos siga no

    O Ministério das Comunicações anunciou a criação de uma joint venture com o objetivo de construir um cabo submarino de telecomunicações entre o Brasil e a Europa. Conforme o projeto, o cabo de fibra ótica vai ligar Fortaleza a Lisboa. O especialista Orlando Bernardo Filho comentou com exclusividade para a Sputnik Brasil.

    A construção do cabo de fibra ótica, que terá 5.875 quilômetros de extensão, deve durar 18 meses. O início das obras acontece no primeiro semestre de 2016, com a construção da estação terrestre que é o ponto de partida do cabo submarino. Além de ligar Fortaleza a Lisboa, o cabo poderá ter derivações ainda na Guiana Francesa, nas Ilhas Canárias, na Ilha da Madeira e em Cabo Verde. A conclusão da obra está prevista para até o início de 2018. O investimento estimado é da ordem de US$ 185 milhões. 

    Através do cabo, vai ser possível permitir a comunicação digital e a troca de dados diretamente entre o Brasil e a Europa. Atualmente, esse tráfego de informações é feito por intermédio dos Estados Unidos. Assim, um dos objetivos da medida é dificultar a espionagem praticada pelo Governo norte-americano.

    Segundo o Ministério das Comunicações, o empreendimento faz parte da estratégia brasileira de reforçar a sua infraestrutura de telecomunicações. O foco do Governo é dinamizar a comunicação de dados e ampliar fundamentalmente a segurança das comunicações no Brasil.

    Conforme o acordo assinado na terça-feira (30), a joint venture será formada por uma empresa brasileira, com 35% de participação da Telebrás, 45% da IslaLink (empresa espanhola com capital sueco) e 20% de um terceiro acionista brasileiro, ainda a ser definido.

    O Ministério das Comunicações informou que já vem estabelecendo diálogos com outros países, inclusive com o grupo BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), com a finalidade de buscar iniciativas semelhantes, que ampliem a capacidade de tráfego, além de garantir a diversidade da infraestrutura de telecomunicações e a segurança das informações.

    O Governo Federal acredita que a nova interligação deve também reduzir custos, já que a conexão com a Europa deixará de passar por outros países.

    A previsão da Telebrás, estatal do setor de telecomunicações, é de que o investimento da União Europeia na rede alcance cerca de 25 milhões de euros.

    Para o engenheiro e professor de Engenharia de Sistemas da UERJ – Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Orlando Bernardo Filho, a construção deste cabo é de extrema importância. Segundo ele, a fibra ótica tem uma capacidade de transmissão enorme, possibilitando diversos canais de comunicação através desses cabos, e isso vai permitir que mais serviços e usuários possam fazer essa comunicação em nível internacional. “Isso é de extrema importância”, diz o professor, “porque, conforme o tempo vai passando, cada vez mais e mais pessoas começam a usar a rede global, começam transmitir dados e receber dados, então, é fundamental que a infraestrutura física acompanhe o momento do ingresso das pessoas e de novos serviços que são ofertados.”

    Orlando Bernardo Filho ressalta que, se a infraestrutura física não acompanhar, vai se chegar a um ponto de saturação, onde ninguém mais vai conseguir comercializar novos serviços ou conquistar novos usuários, e a economia pode estagnar no setor de telecomunicações.

    Além do combate à espionagem dos Estados Unidos, o especialista chama a atenção para o aumento da velocidade no tráfego das informações, aumentando também a disponibilidade de serviços. “Na medida em que se aumenta a banda de transmissão, tem-se a chance de ofertar mais serviços, e com outras rotas alternativas é possível fazer certos tipos de comunicação de forma mais rápida, porque, se uma rota está congestionada, há a alternativa para poder escoar de maneira mais rápida uma comunicação.”

    Tags:
    BRICS, Telebrás, Islalink, UERJ, Orlando Bernardo Filho, Suécia, Portugal, Europa, EUA, Guiana Francesa, Ilhas Canárias, Ilha da Madeira, Lisboa, Fortaleza, Cabo Verde, África do Sul, China, Índia, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar