07:26 20 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    A presidenta do Brasil, Dilma Rousseff, e o presidente dos EUA, Barack Obama

    Dilma Rousseff celebra com Barack Obama acordos sobre meio ambiente e educação

    Roberto Stuckert Filho/PR
    Brasil
    URL curta
    0 37

    Após reunião com Barack Obama, a Presidenta Dilma Rousseff anunciou que Brasil e EUA fecharam acordos importantes nas áreas de educação e de meio ambiente, com foco na mudança do clima e no desenvolvimento sustentável. Dilma ressaltou que também foi construída uma agenda bilateral nos setores de comércio, investimento e ciência e tecnologia.

    Segundo Dilma, um dos assuntos discutidos com Obama na reunião desta terça-feira, 30, foi a questão da mudança do clima, tema central da COP 21 – Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, que acontecerá no fim do ano na França. Para a presidente, o assunto é um dos desafios centrais do século 21, e diante disso Dilma anunciou que Brasil e EUA assinaram um compromisso de cooperação para assegurar a ampliação de 20% de energia renovável na matriz energética até 2030.

    “Nós temos um grande objetivo, que é, primeiramente, assegurar na matriz energética de cada um dos países a presença de fontes renováveis”, disse a presidente.

    “Essa decisão tem muito a ver com as nossas perspectivas e a nossa participação no acordo global de redução de emissão, para que a gente consiga de fato concretizar esse acordo na COP 21 em Paris. A segunda questão reflete essa primeira, e foi a decisão dos dois países de assumirem uma meta de 20% de ampliação das fontes renováveis na matriz de energia elétrica, sem a hídrica, até o ano de 2030. Eu saúdo essa decisão pela importância que ela tem na redução das emissões de gás de efeito estufa e no nosso compromisso de manter, sem sombra de dúvidas, o meio ambiente e a redução da temperatura, impedindo que ela aumente mais de 2 graus.”

    Ainda na questão do meio ambiente, Dilma Rousseff informou a assinatura de um compromisso entre Brasil e EUA para recuperar 120 mil km² de florestas até 2030, e assumiu a meta de levar o país ao desmatamento ilegal zero até 2030. “E também queremos virar a página e passar a ter uma política clara de reflorestamento. Isso é importantíssimo para o Brasil, e tem a ver também com nossos compromissos próprios, que assumimos no Código Florestal.”

    Em seu discurso, a Presidenta Dilma Rousseff disse também que o desafio do Brasil é dobrar o comércio bilateral com os EUA nos próximos dez anos. A presidente citou algumas medidas que começam a ser tomadas para ampliar a parceria, como a redução de taxas e da burocracia comercial entre os dois países. “Nós queremos ampliar e diversificar nossas trocas, e nosso desafio é dobrar a corrente de comércio em uma década. O objetivo é construir condições para um relacionamento comercial ambicioso entre o Brasil e os EUA. No curto prazo, devemos remover principalmente os obstáculos não tarifários existentes para bens industriais e agrícolas. Devemos reduzir a burocracia, as complicadas autorizações e outras restrições, ao mesmo tempo que seja reconhecida a qualidade dos processos produtivos do Brasil. Gostaria que nossa agenda prioritária na área comercial, no curto prazo, estivesse centrada em dois temas, primeiro a convergência regulatória, a harmonização de normas técnicas, e segundo a facilitação do comércio, sistemas de janela única para simplificar e reduzir prazos de processos aduaneiros.”

    Outro ponto discutido na reunião com Obama foi a questão da educação, em que Dilma anunciou que Brasil e EUA fecharam um acordo de cooperação em educação técnico-profissionalizante e estabeleceram parcerias entre os institutos governamentais de cada país com vista à melhoria científica e tecnológica e à inovação.

    Dilma e Obama também anunciaram a assinatura de acordos entre os dois países para facilitar a entrada de viajantes frequentes brasileiros no território norte-americano, sem passar por filas de imigração, e na área da previdência social.

    “Nós decidimos facilitar a entrada nos EUA de viajantes frequentes do Brasil, no âmbito do Programa Global Entry. Celebramos também um acordo muito importante para a população brasileira que vive nos EUA, um acordo na área da previdência social, que permite que aqui eles tenham cobertura também.”

    A presidente falou ainda sobre os Jogos Olímpicos Rio 2016 e garantiu a segurança do evento. Dilma disse que acredita que os Jogos de 2016 vão transcorrer sem problemas, como aconteceu com o esquema adotado na Copa do Mundo de 2014. “Nós levamos muito a sério a questão da segurança nos grandes eventos, e isso significa que envolvemos todos os órgãos que podem garantir e vão garantir a segurança nas Olimpíadas. Nós temos experiência nessa área, porque no ano passado organizamos a Copa do Mundo e tivemos que dar segurança a 12 cidades brasileiras. Por isso eu tenho certeza de que nós teremos todas as condições de garantir a segurança das Olimpíadas, assim como foi na Copa do Mundo.”

    Dilma Rousseff ressaltou em seu discurso a importância, para a América Latina, da retomada das relações entre EUA e Cuba. “Eu queria falar da importância para a América Latina do que foi a decisão dos Presidentes Obama e  Raúl Castro, em parceria, inclusive, com o Papa Francisco, no sentido de abrir o relacionamento norte-americano com Cuba. Esse é um momento muito decisivo na relação com a América Latina. É o fim da Guerra Fria, e é o estabelecimento de uma relação de qualidade, que muda o patamar do relacionamento dos EUA com toda a região. Quero reconhecer a importância desse ato para toda a América Latina e para a Paz Mundial também, e é um padrão e um exemplo de relação que deve ser seguido.”

    A Presidenta Dilma encerrou seu discurso dizendo que a viagem aos EUA representa um relançamento das relações entre os dois países, e que foi um passo à frente nas relações entre Brasil e EUA. Dilma afirmou à imprensa que confia no Presidente Obama, pelo visto deixando para trás qualquer problema que possa ter havido entre os dois países em 2013, quando ela cancelou a visita oficial aos EUA por conta de denúncias de que o Governo norte-americano teria espionado a presidente e empresas estatais brasileiras.

    ”É verdade, eu cancelei a minha visita aos EUA naquele momento”, disse. “De lá pra cá, algumas coisas mudaram. E a mudança se deve ao fato de o Presidente Obama e o Governo dos EUA terem declarado em várias oportunidades que não teriam mais atos, que seriam de intrusão em países amigos. Eu acredito no Presidente Obama. E mais: ele também me disse que, se fosse o caso de ele precisar de alguma informação não pública do Brasil, ele me telefonaria. Então, eu tenho certeza de que as condições passaram a ser bastante diferentes agora.”

    O Presidente Barack Obama iniciou seu discurso à imprensa afirmando que os EUA aumentaram as exportações ao Brasil em mais de 50% desde que ele assumiu o poder.

    Obama destacou ainda a parceria na educação com intercâmbio de estudantes. Ele afirmou também o esforço conjunto na redução da emissão de carbono na camada de ozônio. O presidente americano agradeceu a Dilma o apoio com relação à abertura de diálogo com Cuba, após 53 anos, e o trabalho dos EUA em abrir embaixada em Havana.

    O Presidente Obama ainda revelou o interesse do seu país em disputar as concessões previstas no Plano de Investimentos em Logística brasileiro, que prevê até 2018 concessões em áreas de logística. "Com o anúncio recente sobre infraestrutura no Brasil, empresas norte-americanas terão mais oportunidade para concorrer em projetos que desenvolvam as rodovias, aeroportos, portos e ferrovias do Brasil."

    Ao ser questionado sobre a questão da espionagem, Barack Obama disse ter uma relação baseada na confiança com o Brasil. "Em relação à confiança, eu diria que a Presidenta Rousseff e eu temos tido excelente relacionamento desde que ela tomou posse. Ela foi sempre muito franca e honesta em relação aos interesses do povo brasileiro e de como podemos trabalhar juntos.”

    Após a declaração conjunta com Barack Obama, a Presidenta Dilma Rousseff participou de almoço oferecido pelo vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, na sede do Departamento de Estado, e, depois, do encerramento da Cúpula Empresarial Brasil-Estados Unidos.

    No início da noite, Dilma Rousseff embarcou para San Francisco, onde, na quarta-feira (1 sw julho), encerra a sua visita oficial.

    Mais:

    Agência de classificação de risco acredita em recuperação econômica de Brasil e Rússia
    O comércio entre Brasil e EUA pode ser dobrado, diz ministro
    Brasil é a última chance para EUA manterem sua política na América Latina
    Tags:
    sustentabilidade, parceria, encontro, meio ambiente, relações bilaterais, clima, energia, reunião, educação, segurança, Barack Obama, Dilma Rousseff, Cuba, EUA, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik