09:01 19 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Dilma Rousseff durante encontro bilateral com Primeiro-ministro da Grécia, Aléxis Tsípras

    Dilma diz que austeridade na Grécia e no Brasil é “diferente”

    Roberto Stuckert Filho / Fotos Públicas
    Brasil
    URL curta
    0 52

    A presidente Dilma Rousseff se reuniu na última quinta-feira (11) com o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, em Bruxelas. Durante o encontro, a líder brasileira fez distinção entre as medidas de austeridade econômica promovidas pela Grécia e o aperto fiscal implementado pelo governo.

    “Nós temos uma diferença. Nós fazemos um ajuste, mas nós não temos um desequilíbrio estrutural. Nós continuamos com US$ 370 bilhões de reservas. Nós temos um sistema financeiro absoltamente sem bolha”, afirmou a presidente. 

    Segundo ela, o Brasil tem dinheiro para pagar as dívidas, de um valor inferior ao devido pela Grécia.

    A presidente ainda disse que o Brasil sabe o que é “ficar 20 anos sem crescer”, observando que a folha de pagamento do país tem um peso menos importante nos gastos do Estado do que na Grécia. De acordo com ela, o governo promoveu uma política econômica anticíclica para evitar o aumento do desemprego e a redução do poder aquisitivo da população. Para Dilma, é necessário “criar as condições” para que o país possa ajustar a economia sem piorar a crise. 

    Ao mesmo tempo, a presidente defendeu o ajuste fiscal implementado no Brasil sob comando dos ministros da Fazenda, Joaquim Levy, e do Desenvolvimento, Nelson Barbosa. Segundo ela, “esse ajuste é um ajuste macroeconômico fundamental. Um ajuste fiscal não é igual”. Ela também destacou que a recuperação da crise econômica internacional ainda está em curso, uma situação que pesa no Brasil.

    Mais:

    Brasil lamenta reação da Turquia à Solidariedade ao Povo Armênio aprovada pelo Senado
    Brasil assinou acordo de cooperação com a OCDE
    Joaquim Levy: Segundo semestre será mais positivo para o Brasil
    Brasil assina passo inicial para a entrada no “grupo dos ricos”
    Portugal antecipa pagamento ao FMI para não ser como a Grécia
    Contato com Moscou não contradiz a presença da Grécia na UE, diz ministro da Energia grego
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik