23:40 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Joaquim Levy, ministro da Fazenda do Brasil

    Joaquim Levy: Segundo semestre será mais positivo para o Brasil

    © AFP 2018 / Evaristo Sá
    Brasil
    URL curta
    0 33

    O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, ao participar, na sede do FMI, em Washington, de debate sobre as perspectivas da economia da América Latina, afirmou que a recuperação da economia brasileira vai ser “lenta, e tem que ser construída tijolo a tijolo”. Levy disse também esperar que o segundo semestre será mais positivo para o Brasil.

    O ministro acredita que há grandes chances de no segundo semestre alguns números ficarem mais positivos para a economia do país. “Eu acho que, se tomarmos as medidas necessárias com rapidez, teremos chance de ver uma segunda metade do ano favorável para economia”. Joaquim Levy disse ainda ser “óbvio que isso vai envolver a resposta do setor privado, de reconhecer esse momento de transição não só do Brasil, mas de toda a América Latina, e eu acho que o Brasil tem tudo para poder sair na frente”.

    Esta é a terceira vez em três meses que o ministro da Fazenda tenta tranquilizar os dirigentes do FMI sobre os rumos da economia do Brasil. Joaquim Levy já tinha participado, em abril, da reunião de primavera da instituição, e no mês passado recebeu em Brasília a diretora-geral do Fundo, Christine Lagarde.

    Durante a mesa de debates, o ministro da Fazenda foi a atração principal de um painel sobre a economia latino-americana, em que foi questionado sobre os motivos de o resto da América Latina crescer mais do que o Brasil. Levy disse que o país tem feito ajustes para voltar a crescer, e que o momento agora é de focar mais em reformas do lado da oferta. "Por bastante tempo, pensava-se que bastava apoiar a demanda, ter incentivos, mas isso não estava mais levando para a frente.”

    O ministro da Fazenda explicou ainda que é normal o pessimismo do mercado com o Brasil. “Em geral, há um período em que você mergulha; depois você se recupera, e há algumas discussões demorando mais que o inicialmente previsto no Congresso e em outros lugares.”


    Mais:

    Brasil assina passo inicial para a entrada no “grupo dos ricos”
    Ministros discutem com presidente orçamento federal do Brasil
    Especialista diz que cortes no orçamento podem não salvar Brasil da crise
    Tags:
    economia, FMI, Joaquim Levy, Christine Lagarde, América Latina, Brasília, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik