08:28 12 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Segundo Anvisa, o Brasil pode se tornar o primeiro país do mundo a registrar uma vacina contra a dengue

    Brasil pode ser pioneiro mundial na descoberta de vacina contra a dengue

    © AFP 2017/ CHRISTOPHE SIMON
    Brasil
    URL curta
    1191

    O Brasil pode se tornar o primeiro país do mundo a registrar uma vacina de combate à dengue. A novidade foi anunciada pelo diretor da Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Renato Alencar Porto, durante audiência pública da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara dos Deputados.

    A Comissão realizou uma audiência pública sobre as pesquisas de vacinas contra a doença com os dois laboratórios que desenvolvem o trabalho no país.

    Atualmente estão sendo pesquisadas no mundo seis vacinas contra a doença. A mais avançada delas está no Brasil, desenvolvida pelo laboratório Sanofi-Pasteur e que já passou pelas três fases necessárias de pesquisa e também já está protocolada na Anvisa desde março. 

    Segundo a diretora do laboratório para a América Latina, Lucia Bricks, já há estoques para a vacina ser usada no segundo semestre, e a capacidade de produção é de 100 milhões de doses por ano. A vacina imuniza contra os quatro tipos de vírus da dengue e foi testada em 40 mil pessoas de 15 países, com resultado de redução de 60% da dengue sintomática e diminuição em 95% da doença grave.

    Outra vacina contra a dengue está sendo desenvolvida pelo Instituto Butantan, em São Paulo. De acordo com o diretor substituto do Instituto, Marcelo de Franco, já estão demonstradas a segurança e a extrema potencialidade da vacina contra a dengue, e, se as pesquisas entrarem na fase três antes do registro da vacina do laboratório Sanofi, o processo de finalização será mais rápido.

    A pesquisa do Butantan, porém, pode se inviabilizar devido aos custos. “Pelas normativas da Anvisa para medicamentos, se eles conseguirem o registro antes da gente ter a autorização para a fase três, nós teremos que fazer um teste de comparação com a deles. Nós teremos que aumentar o número de voluntários em quase quatro vezes, o que praticamente inviabilizaria em termos de custos, porque quadruplica o custo que se precisaria para fazer o estudo.”

    No trabalho desenvolvido originalmente pelo Instituto Butantan o plano é de testar a vacina com até 17 mil voluntários em todo o Brasil, e ainda fazer estudos paralelos no exterior, onde o Instituto tem dois laboratórios parceiros.

    A vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan é em dose única, e a da Sanofi-Pasteur prevê três doses com intervalo de seis meses.

    A diretora do Sanofi-Pasteur, Lucia Bricks,  disse que  o sonho era ter uma vacina que desse imunidade total e em dose única, mas a realidade é que por enquanto a maior parte das vacinas no Brasil é em mais de uma dose, e elas também não protegem totalmente. “A maioria das vacinas não chega a proteger 100% da população, a proteção é variável. Neste momento, a única vacina que demonstrou um programa muito robusto, que cumpriu todas as três etapas de estudos clínicos necessários ao registro, é a da Sanofi-Pasteur."

    Apesar da possibilidade de o Brasil sair na frente no desenvolvimento de uma vacina de combate à dengue, o diretor da Anvisa Renato Alencar Porto chama a atenção de que a situação ainda é complexa e que não se pode prever ainda um prazo para quando o Brasil vai efetivamente poder oferecer o medicamento para a população. "Nós não falamos em prazo. Isso é muito difícil. A complexidade é muito grande. Registrar uma vacina sendo a primeira e com todo esse diferencial, com diversos tipos de vírus, com a quantidade de dados muito grande, não falamos em prazo. Nosso compromisso é fazer a avaliação desse dossiê da maneira mais rápida possível, garantindo que essa vacina seja registrada, se assim for, com eficácia, qualidade e segurança comprovadas."

    Também presente na audiência pública da Comissão de Seguridade Social e Família da Câmara, o coordenador-geral do Programa Nacional de Controle da Dengue do Ministério da Saúde, Giovanini Evelim Coelho, explicou que o Ministério vai definir áreas e grupos etários que vão ser prioritários para a vacinação quando ela estiver disponível.

    Giovanini Coelho garantiu que o Ministério da Saúde está apoiando a realização de estudos para preparar o SUS – Sistema Único de Saúde para receber as vacinas. "Basicamente, esses estudos visam a definir áreas e grupos etários que serão prioritários para a vacinação quando essa vacina estiver disponível. Ou seja, nós nos antecipamos exatamente por entender que a vacina da dengue, num primeiro momento, terá pouca oferta, e é necessária a priorização nesse processo de vacinação."

    Segundo o coordenador, além das pesquisas para o desenvolvimento da vacina, paralelamente o Ministério da Saúde possui um programa permanente contra a dengue com repasse de verbas para que Estados e municípios realizam atividades de prevenção e controle da doença. Neste ano, além dos recursos de rotina, foram repassados ainda por conta da situação de epidemia no país R$ 150 milhões para as secretarias estaduais e municipais de saúde.

    Mais:

    Ministério da Saúde nega epidemia de dengue no Brasil
    OMS considera epidemia de dengue no Brasil
    Ministério da Saúde registra mais de 460 mil casos de dengue no Brasil
    Brasil tem 340 cidades em risco de surto de dengue
    Tags:
    vacina, doença, vírus, dengue, saúde, Sanofi-Pasteur, Anvisa, Instituto Butantan, Renato Alencar Porto, Giovanini Evelim Coelho, Lucia Bricks, São Paulo, América Latina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik