09:48 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Integrantes da CUT participam dos protestos do Dia Nacional de Luta contra o Projeto de Lei (PL) 4.330/2004, que regulamenta o sistema de terceirização no mercado de trabalho brasileiro

    Manifestações contra terceirização são realizadas em pelo menos 21 estados e no DF

    Valter Campanato/ Agência Brasil
    Brasil
    URL curta
    119141

    Sindicatos realizaram nesta quarta-feira, 15 de abril, protestos em pelo menos 21 estados e no DF contra o projeto de lei que regulamenta a terceirização no Brasil, aprovado na Câmara no dia 8 deste mês.

    Durante a tarde e início da noite, houve manifestações em São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Sergipe, Bahia e no Distrito Federal. Em alguns desses estados ocorreram atos tanto à tarde quanto pela manhã.

    Os protestos, que integram o Dia Nacional de Paralisação contra o Projeto de Lei (PL) 4.330/2004, ocorreram ainda em Alagoas, Amapá, Goiás, Piauí, Paraíba, Paraná, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Pará, Acre, Maranhão, Rondônia, Ceará, informou Agencia Brasil.

    As manifestações foram organizadas por sindicatos filiados à Central Única dos Trabalhadores (CUT) e outras centrais sindicais. Houve paralisações no transporte público em pelos menos cinco capitais, segundo a CUT: Florianópolis, Porto Alegre, Salvador, Recife e Brasília. 

    Policiais militares e manifestantes entraram em confronto em Vitória (ES). Durante o tumulto, a PM utilizou bombas de efeito moral para tentar dispersar os participantes do protesto. A assessoria da Secretaria Estadual de Segurança Pública e Defesa Social informou que o direito à manifestação está sendo respeitado, mas o uso da força policial foi necessário para cumprir uma decisão judicial de 14 de abril com determinação para que não houvesse fechamento de vias de acesso à capital.

    Tags:
    protestos, manifestações, terceirização, projeto de lei 4330, CUT, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik