09:06 22 Novembro 2017
Ouvir Rádio
    Protesto contra assassinato de Eduardo de Jesús Ferreira em Copacabana

    Ato em Copacabana homenageia menino morto pela polícia e critica violência policial

    MARCOS ARCOVERDE/ESTADÃO CONTEÚDO
    Brasil
    URL curta
    0 14433

    Manifestantes se reuniram na manhã deste domingo na praia de Copacabana para protestar contra o assassinato do menino de 10 anos, Eduardo de Jesús Ferreira, morto pela polícia no Complexo do Alemão, na quinta-feira, 2.

    Organizado pela ONG 'Rio de Paz', o ato percorreu o calçadão da praia de Copacabana simulando um cortejo fúnebre em homenagem ao menino assassinado, que terminou com a simbólica colocação de uma grande cruz negra na areia.  

    A manifestação contou com a participação de dezenas de pessoas. Segundo o estudante Douglas Pereira, de 18 anos, "a força do ato está no simbolismo e não em números. Estamos orgulhosos de denunciar esta barbárie", disse. 

    O menino Eduardo de Jesús Ferreira, de 10 anos, foi atingido por um tiro de fuzil na cabeça enquanto estava na porta de sua casa na última qunta-feira, 2, durante uma incursão da polícia na favela onde morava a criança. 

    Após a tragédia, já foram realizadas três manifestações contra a violência policial nas favelas do Rio de Janeiro. No protesto pacífico da última sexta-feira, 3, no Alemão, a polícia dispersou os manifestantes com bombas de gás e spray de pimenta. 

    Uma outra manifestação já está marcada para a próxima quarta-feira, 8 de abril, que deverá marchar em direção ao Palácio da Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro. O protesto intitulado "Parem a Guerra na Perifería Imediatamente" já reune mais de 10 mil pessoas confirmadas nas redes sociais. Uma das pautas do ato é a exigência do fim das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP).

    Mais:

    Polícia Militar do Rio vai ocupar complexo de favelas da Maré até o fim de abril
    Rio cria polícia especial para combater tráfico de armas.
    Segurança da Rio-2016 começa a traçar as estratégias para as instalações olímpicas
    Tags:
    polícia, violência, protesto, ONG Rio de Paz, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik