09:55 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    1123
    Nos siga no

    A última rodada de negociações militares de alto nível entre a Índia e a China não conseguiu chegar a um acordo para esfriar as tensões na região fronteiriça, que se estende por mais de 3.200 quilômetros.

    Estes foram os últimos esforços de diálogo entre os comandantes dos Exércitos indiano e chinês, ocorridos no domingo (10), com o objetivo de resolver o impasse na fronteira, informa o The Wall Street Journal (WSJ).

    É importante relembrar que em junho de 2020, um confronto entre as forças de ambas as nações nucleares no Himalaia vitimou 20 soldados indianos e quatro chineses. Desde o incidente, Índia e China têm negociado formas de acalmar a situação. Contudo, apesar de ambos os países afirmarem que buscam uma resolução, as potências continuam reforçando presença militar na região.

    Na segunda-feira (11), Nova Deli e Pequim chegaram a um novo impasse na fronteira entre os dois países. O Ministério da Defesa da Índia atribuiu as tensões a "tentativas unilaterais do lado chinês de alterar o status quo", citado pela mídia.

    Soldados indianos patrulham região de fronteira com a China no Himalaia, 28 de fevereiro de 2021
    © AFP 2021 / Tauseef Mustafa
    Soldados indianos patrulham região de fronteira com a China no Himalaia, 28 de fevereiro de 2021

    Long Shaohua, porta-voz do Exército de Libertação Popular (ELP) da China, reiterou que o lado chinês "demonstrou plenamente sua sinceridade" para diminuir a escalada da situação, mas "o lado indiano ainda insiste em exigências pouco razoáveis e irrealistas", reporta o jornal.

    Os dois gigantes asiáticos construíram infraestrutura no território disputado no decorrer de 2021, incluindo cabanas isoladas para que as tropas possam se manter na zona durante os invernos rigorosos do Himalaia.

    O ELP aumentou gradualmente sua presença de 15 mil, em 2020, para 50 mil, segundo a inteligência indiana e oficiais militares. Essas movimentações foram correspondidas pela Índia, que enviou dezenas de milhares de soldados e artilharia avançada para a região, disseram as autoridades ao WSJ.

    O chefe do Exército da Índia, Manoj Mukund Naravane, disse no sábado (9), em Nova Deli, que estava preocupado com o que chamou de "acúmulo em larga escala" pela China na fronteira. A Índia contra-atacou com sua própria presença, e "se eles [soldados chineses] estão lá para ficar, [então] nós também estamos lá para ficar", assinalou, de acordo com o jornal norte-americano.

    Mais:

    Pequim critica reunião do Quad, dizendo que causa 'discórdia' na Ásia-Pacífico
    VÍDEO mostra momento em que avião fica entalado debaixo de passarela na Índia
    Rússia alerta para tentativas de 'aquecer' situação na Ásia após saída da OTAN do Afeganistão
    Tags:
    China, Índia, Himalaia, fronteira, tensão geopolítica, conflito
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar