01:28 25 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    2205
    Nos siga no

    O governo chinês apresentou o que seria o primeiro guia ético para a gestão da Inteligência Artificial (IA), o qual enfatiza que os sistemas fiquem sob controle total dos humanos.

    De acordo com o jornal South China Morning Post, o Ministério da Ciência e Tecnologia chinês apresentou no dia 3 de outubro as Especificações Técnicas para a Nova Geração de Inteligência Artificial.

    De acordo com o jornal, o guia faz parte de um ambicioso plano da China para se converter no país mais competitivo em termos de IA até 2030, embora tenha calculado que impulsionará esta tecnologia no país até 2025.

    Este guia ético é baseado nos princípios básicos que qualquer sistema de IA deverá respeitar, sendo o mais importante que seja um sistema "controlável e confiável", ou seja, que permita ao usuário desistir de seus serviços a qualquer momento, sem correr o risco, por exemplo, de ter sua privacidade afetada.

    Inteligência artificial (imagem ilustrativa)
    © Foto / Pixabay / geralt
    Inteligência artificial (imagem ilustrativa)

    Os demais princípios do guia incluem que os sistemas estejam focados no bem-estar humano, na promoção da igualdade e da justiça, na proteção da privacidade e segurança e incentivem a educação ética.

    Rebecca Arcesati, analista do Instituto Mercator para Estudos Chineses, explicou ao jornal chinês que a apresentação do guia ético é uma "clara mensagem" para os gigantes tecnológicos, criticados pelo governo chinês pela gestão de dados e implementação de algoritmos com fins de consumo e publicidade.

    A analista considera que o documento confirma a prioridade que é para a China se tornar em um país de ponta em IA.

    "A China está optando por um modelo severo, onde o Estado está pensando seriamente sobre as transformações a longo prazo que a IA trará, desde a alienação social até os riscos existenciais, e está tratando de administrar e guiar todas essas transformações de forma ativa", explicou.

    Mais:

    Japão e EUA treinam pouso e decolagem de caças F-35 em meio à tensão com China (FOTOS)
    Pequim busca 'independência estratégica' do Ocidente com novo reator nuclear, diz especialista
    Stoltenberg: ascensão da China é útil para economias, mas representa risco de segurança para OTAN
    Tags:
    China, inteligência artificial, tecnologia, tecnologias, humanos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar